Imagem

Você está disposto a deixar o que o deixou doente?

Quando falamos de doenças, o mais comum é que o assunto se concentre em sintomas, diagnóstico, tratamento…

No entanto, ver nosso corpo como o meio pelo qual assumimos essa experiência física, pode nos levar a pensar que suas manifestações correspondem a algo mais do que a doença que sofremos ou as limitações que uma doença pode nos trazer.

Muitos estudos receberam a tarefa de associar as áreas do nosso corpo e doenças a uma emoção específica, como exemplo:

Medo: Pode afetar o sistema renal e gerar condições ósseas e articulares.

Raiva: afeta o fígado, vesícula biliar e sistema digestivo.

Tristeza: enfraquece o sistema imunológico, gerando vulnerabilidade na saúde integral. Está associado a alterações nos pulmões e no intestino grosso.

Insatisfação: Afeta a pele, gerando vários tipos de dermatite, dores de cabeça e lombalgia.

A sensação de perda: afeta completamente o coração e o sistema circulatório.

A lista de emoções e partes do nosso corpo é realmente extensa e o importante é entender que existe uma relação entre as emoções e a tradução do corpo. Cada um de nós caminha por uma escada emocional todos os dias de nossas vidas e isso é normal, o que deve atrair nossa atenção é se houver um predomínio de alguma emoção que nos cause desconforto. Uma vez que o estado permanente ou semi-permanente de uma emoção que denominamos negativa, em nosso sistema, pode gerar danos significativos ao nosso corpo.

As emoções se tornam a maneira que nosso corpo tem para manifestar o que nossa mente processa. É por isso que é tão benéfico observar nosso corpo e o que sentimos, ao qual podemos não estar acostumados. Mas cultivar a prática da auto-observação pode impedir-nos de passar por complicados processos de saúde, como o único mecanismo do nosso corpo a gerar mudanças em nossas vidas.

Afinal, todas as doenças nos dizem a mesma coisa , elas mostram coisas semelhantes. Geralmente é que nos conectamos com o que realmente importa, que investimos nosso tempo no que alimenta nossa alma. As doenças nos convidam a parar de nos dar uma vida ruim por problemas que estão apenas em nossas mentes.

Se nos sentimos mal, devemos rever o que não estamos fazendo bem. Se ficamos doentes, devemos fazer uma pausa para gerar mudanças, não apenas de alimentos, que são muito importantes, nem de rotinas de exercícios, nem de medicamentos consumidos … Devemos gerar mudanças de atitude em relação à vida , aumentando a capacidade de dar a cada coisa o lugar que merece.

Já temos uma distorção bem acentuada no que a vida deveria ser, nos adaptando a um sistema que nos convida a nascer, estudar, trabalhar, pedir emprestado, casar, ter filhos, continuar trabalhando, continuar a pedir emprestado, se aposentar quando não podemos mais trabalhar e morrer … Em particular, acho que nascemos para muito mais do que isso, que essa oportunidade é única e devemos nos reinventar para que valha a pena.

E nessa reinvenção é pegar tudo o que pesa, colocá-lo em um saco e descartá-lo, demiti-lo, sem consideração. Também aprendemos a olhar para os detalhes da vida, a agradecer pelas bênçãos que recebemos, a amar e a nos aceitar como somos, sem nos compararmos a ninguém. Também devemos entender que não estamos em uma corrida, não chegamos a liquidar dívidas, isso não é um castigo, mas uma grande oportunidade e se ficarmos doentes é porque nosso corpo sábio está nos dando uma mensagem e a mensagem é: mude!

Você pode eliminar qualquer sintoma, excluir qualquer vício, cortar partes do corpo assumindo que a doença desaparecerá … Mas até que você solte a emoção que o deixou doente, até se livrar dessa maneira de pensar que fez você se sentir assim, até que suas prioridades não se ajustem ao que realmente alimenta sua alma, você não estará pronto para curar.

Fonte: rincondeltibet.com
Autora: Sara Espejo

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Imagem: Juan Pablo Serrano Arenas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *