Imagem

Quando as pessoas dizem que você não é a mesma, é porque você deixou de ser do jeito que elas queriam que fosse

“Você não é o mesmo, mudou muito”, é uma das censuras mais frequentes que podemos ouvir. Por trás dessas palavras, desencanto e decepção costumam estar escondidos.

A pessoa sente que, de alguma forma, foi traída, enganada ou ridicularizada pelo que acaba acusando a outra, culpando-a pela transformação. Com essas palavras, ele está dizendo que o outro não é digno de confiança ou amor, porque as premissas iniciais a partir das quais o relacionamento foi construído não existem mais.

Obviamente, quando nos dizem algo assim, especialmente se vier de uma pessoa que amamos ou estimamos, nos sentimos mal e fazemos um teste de consciência. O problema é que, olhando dentro de nós, perceberemos que realmente mudamos. Então podemos nos sentir culpados. E de repente o peso dos problemas que o relacionamento tem recai sobre nós. Embora nem sempre seja assim…

Todos nós mudamos, o estranho seria permanecer o mesmo
Há quem pense que a personalidade é imutável. Até os psicólogos pensaram nisso por algum tempo. De acordo com essa concepção, se você é extrovertido ou introvertido, continuará assim até o fim de seus dias.

No entanto, um estudo recentemente conduzido por psicólogos da Universidade de Edimburgo quebrou esse mito, revelando que somos uma pessoa completamente diferente aos 14 e 77 anos. Esses pesquisadores coletaram os resultados dos testes de personalidade realizados em 174 adolescentes em 1947 e aplicaram o teste 60 anos depois, para avaliar as mudanças sofridas em sua personalidade.

Foram avaliadas seis características fundamentais: autoconfiança, perseverança, equilíbrio emocional, autoconsciência, criatividade e vontade de superar. Eles descobriram que a personalidade havia mudado bastante com o tempo, a ponto de, em alguns casos, ser praticamente impossível traçar paralelos. De fato, apenas duas características mostraram alguma estabilidade: equilíbrio emocional e autoconsciência.

Isso demonstra que as circunstâncias da vida, assim como nossa maneira de lidar com elas, nos moldam ao longo dos anos. Portanto, é perfeitamente normal que mudemos, que desejemos outras coisas, que abrigemos novos sonhos e que modifiquemos nossas opiniões e até nossas crenças. O mais estranho seria que permaneçamos ancorados a um “eu” porque isso significaria que não aprendemos com as experiências, que não amadurecemos.

Não deixe que eles te culpem, você tem o direito de mudar
A vida é movimento. Se uma pessoa espera que nada mude, está abrigando uma expectativa ilusória e irrealista. De fato, muitos se apegam à imobilidade porque a ideia de movimento e mudança é assustadora. Essas pessoas têm a perspectiva de que o outro possa mudar causa sofrimento, porque querem que tudo seja permanente, para que possam continuar alimentando uma falsa sensação de segurança.

Portanto, quando eles lhe dizem que você mudou e que você não é mais a mesma pessoa, o que eles realmente estão dizendo é que você parou de atender às expectativas deles, que parou de alimentar suas necessidades e que não se encaixa mais na imagem que eles tinham. de você.

Por que isso acontece?

Muito provavelmente, embora nem sempre seja esse o caso, você continuou a crescer, enquanto essa pessoa estava ancorada no passado. Portanto, agora suas diferenças são ainda mais notáveis ​​porque suas expectativas, ilusões e objetivos são diferentes, bem como sua maneira de reagir à vida.

Obviamente, essa mudança não aconteceu da noite para o dia, então a reprovação geralmente é motivada pela falta de atenção. Em algum momento do relacionamento, você perdeu a intimidade e a conexão que tinha, e praticamente se tornou um estranho para essa pessoa, que não sabia como ver suas transformações no tempo e se adaptar.

Como lidar com essa censura?
– Não deixe te culparem. Não deixe que essa recriminação faça você se sentir culpado. Você tem o direito de mudar e não viver para atender às expectativas dos outros. Mudança faz parte da vida.

– Peça para ele especificar. Dizer que “você não é mais o mesmo” é uma censura generalista que não leva a lugar algum. Peça a essa pessoa para especificar o que está faltando em você. Você pode realmente precisar dedicar mais tempo ao relacionamento ou recuperar alguns dos gestos e detalhes que tinha antes.

– Conheça-se melhor. Às vezes, mudamos tão rápido que não temos plena consciência dessas transformações; portanto, é necessário um exercício de autoconsciência para se reconectar com essas novas partes do nosso “eu”. Dessa forma, você saberá exatamente o que deseja e para onde está indo.

– Feche um estágio da sua vida. A vida está fechando alguns círculos e abrindo outros. Quando a diferença é muito grande, há momentos em que a única solução é separar as estradas. Em vez de magoar-se mutuamente, alimentando reprovações e insatisfações, se todos olharem em uma direção diferente, é melhor que sejam livres para perseguir seus próprios sonhos.

Paramos de conhecer alguém ao mesmo tempo em que paramos de prestar atenção
É importante nunca tomar nada como garantido. Se em sua vida você encontrou pessoas especiais que deseja manter ao seu lado, dedique tempo e crie momentos de intimidade que permitam conhecê-los e descobrir suas novas facetas. Dessa forma, você pode estar ao lado dele em cada passo desse caminho de transformação e crescer juntos.

Referência

Harris, MA et. Al. (2016) Estabilidade da personalidade Dos 14 aos 77 anos. Psicologia do envelhecimento ; 31 (8): 862–874.

Fonte: rinconpsicologia.com

Imagem: Tim Savage

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *