Imagem

Os perigos do autodiagnóstico

Embora muitas vezes gostemos de pensar em nós mesmos como especialistas de nós mesmos, quando se trata de saúde mental, tentar o autodiagnóstico geralmente pode levar a um tratamento impreciso. A conveniência da pesquisa na Internet geralmente pode nos enganar; dado que toda pesquisa de sintomas nos levará a algum tipo de prognóstico. É fácil se diagnosticar, mas a probabilidade de que seja precisa não é provável.

Diagnóstico incorreto

O diagnóstico é complicado e com várias camadas. Existem várias sutilezas que um profissional de saúde mental considerará quando se trata de diagnóstico. Quando fazemos o autodiagnóstico, podemos considerar um sintoma específico como um fator de nossa condição, mas a realidade é que um sintoma pode ter muitas razões subjacentes que podemos não considerar. Um clínico pode discernir como cada sintoma específico desempenha um papel e pode fazer o diagnóstico apropriado.

Diagnóstico Perdido

Muitas vezes, as doenças médicas podem representar síndromes psicológicas. Um autodiagnóstico pode nos levar a acreditar que temos uma doença psiquiátrica, quando a realidade pode ser que os sintomas estejam relacionados a uma condição médica não detectada. Os sintomas relacionados ao hipertireoidismo, enxaqueca, abstinência de drogas ou batimentos cardíacos irregulares podem parecer psicológicos. Ainda mais preocupantes são as condições médicas mais graves, como um tumor cerebral que pode ser a causa dos sintomas. É melhor procurar um profissional para um diagnóstico confiável.

Diagnóstico insuficiente

O autodiagnóstico geralmente leva ao subdiagnóstico ou sobdiagnóstico – ambos perigosos. Examinar a nós mesmos é difícil de fazer objetivamente, geralmente ignoramos as coisas que simplesmente não podemos ver. A ansiedade ou depressão que estamos enfrentando pode estar ocultando outros distúrbios que são perigosos de ignorar.

Por outro lado, o autodiagnóstico pode nos levar a acreditar que estamos demonstrando sintomas de um distúrbio. Podemos pensar que temos DDA, depressão ou um distúrbio do sono que pretendemos tratar, quando os sintomas podem realmente estar relacionados a algo completamente diferente. De qualquer forma, o autodiagnóstico pode adicionar estresse desnecessário que apenas aumenta a situação.

Relação médico-paciente

Um profissional de saúde é bem estudado no campo de transtornos mentais e está lá para ajudá-lo e dar a ajuda que você precisa. A relação médico-paciente é aquela com a qual você e seu médico devem se sentir à vontade. Embora muitos médicos possam estar interessados ​​em ouvir seus pensamentos e respeitar sua opinião, é importante ter em mente que eles têm a experiência necessária para realizar um diagnóstico adequado.

É importante que você sinta que pode confiar no seu médico. Se você acha que esse não é o caso, procure um profissional com o qual você possa se relacionar.

Avaliações neuropsicológicas, psicológicas e educacionais são comumente administradas por profissionais como um meio para alcançar um diagnóstico preciso – isso não pode ser auto-duplicado. Sua saúde provavelmente é de grande valor para você e o autodiagnóstico pode levar a repercussões negativas. O tratamento que você deseja pode ser alcançado sob a orientação de um profissional de uma maneira que funcione para você quando você tiver profissionais de saúde atenciosos e atenciosos ao seu lado.

Fonte: comprehendthemind.com

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *