Imagem

Culpa, um dos maiores inimigos da felicidade

Sigmund Freud já apontou que poucos conflitos são tão complexos como a culpa. Por isso, precisamos de toda uma série de mecanismos de defesa para não encará-la como merece.

“Quando a falha é grande, a falha não é de ninguém”, afirma Concepción Arenal, sugerindo que o valor da culpa está principalmente ligado à estrutura cultural em que nos encontramos e, especificamente, ao valor moral em que fomos educados.

De fato, antropólogos e sociólogos também propuseram inúmeras hipóteses sobre esse assunto, que, como vemos, muitas vezes transcendem o território da psicologia. A verdade é que as causas do sentimento de culpa estão frequentemente relacionadas a uma luta entre os valores estabelecidos intrinsecamente. Também à oposição com o próprio senso comum, que nos ensina a agir de uma certa maneira e cobra por isso.

Uma pessoa pode se sentir culpada por algo que fez, por algo que não fez , por algo que pensou que fez ou por não fazer o suficiente. Poucas emoções são tão problemáticas e perigosas. Não podemos esquecer, por exemplo, que quem carrega esse fardo, muitas vezes acaba machucando os outros, projetando sua própria culpa nos outros.

Assim, estudos como os realizados por June Price Tangney e Jeff Stuewig, da Universidade George Mason, Fairfax, Virgínia, apontam algo interessante. Muitas vezes, outra dimensão é adicionada ao sentimento de culpa: a vergonha . Temos vergonha de nós mesmos por não termos agido como queríamos.

Culpa e auto-estima
A implicação da culpa pode minar a autoestima. Distorcemos nossa realidade, mantemos um diálogo interno negativo e desenvolvemos uma visão muito exaustiva de nós mesmos.

  • O desgaste emocional experimentado é a fadiga, o desamparo e muitas vezes até a raiva. Nós nos odiamos e às vezes até projetamos esse desconforto nos outros.

Os três componentes da culpa
O ciclo da culpa se alimenta de três dimensões básicas: falta de autoaceitação, vergonha e desconforto . Não importa o que façamos ou paremos de fazer, todos os dias, todos os atos nos levam a um ponto em que reside o sentimento de culpa. Todos os pensamentos, todas as dinâmicas em que estamos imersos, acabarão na fronteira com aquela ferida interna que não reparamos ou enfrentamos adequadamente.

A falta de aceitação em relação a nós mesmos e essa visão crítica inevitavelmente nos devoram. Mais tarde, aparece a vergonha, que nada mais é do que a rejeição da própria pessoa. Esses dois componentes intensificam no dia a dia um mal-estar ainda maior.

Terapia para enfrentar a culpa

  • Reconheça pensamentos negativos, aceite-os como parte de quem somos no momento.
  • Comprometa-se a gerar mudanças.
  • Abrace e aceite seus erros, seja mais compassivo e fortaleça sua autoestima.

Também é apropriado tomar as seguintes medidas:

  • Afaste-se das pessoas que não hesitam em alimentar o sentimento de culpa sobre você. Existem pessoas com uma capacidade especial de aumentar sua ansiedade, desgastar e violar a sua autoestima.
  • Exercícios mentais de relativização do conflito: por meio dessa técnica, aprende-se a visualizar a situação a partir de um prisma externo, onde controlamos emoções.
  • Liberte-se do senso obsessivo de responsabilidade. O escritor Fiodor Dostoevsky disse que “é minha culpa, minha culpa pessoal, se o mundo está dando errado”. Esse autor atormentado, cujas obras revelam um grande valor psicológico, deu a essa frase a chave principal para não se sentir culpado por tudo. A pessoa que sofre de culpa constante deve aprender a aceitar o mundo como ele é, independentemente de como possa ser, se esforçando dentro das suas possibilidades para torná-lo melhor.

Para concluir, embora em muitos casos possamos administrar a culpa por nós mesmos, mudando o foco e melhorando nossa autoestima, às vezes é necessário solicitar ajuda especializada . Não podemos ignorar que a culpa pode se tornar crônica e mergulhar em estados de grande desgaste psicológico.

Fonte: lamenteesmaravillosa.com
Autora: Alex Bayorti
Imagem: enginakyurt

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *