Imagem

Pessoas sem paciência: quero tudo e quero agora!!

A frustração parece habitar a mente das pessoas impacientes, nada os satisfaz e, quando conquista algo, a vitória é tão efêmera quanto a ansiedade que gerou. Poucos estados alimentam as emoções negativas dessa maneira, bem como a dificuldade de coexistência.

A maioria de nós certamente conhece alguém com esse tipo de característica. Além disso, podemos até nos identificar com esse temperamento impaciente que custa tanto para controlar e gera um estado constante de grande ansiedade e estresse.

O escritor britânico John Ruskin disse que a esperança deixa de ser felicidade quando acompanhada de impaciência. Estamos, portanto, diante de uma dimensão que reduz o bem-estar e que de alguma forma também impede nossa convivência com os outros.

Pessoas sem paciência: frustração constante como modo de vida
Alguns dizem que esse fenômeno está aumentando: há cada vez mais pessoas sem paciência. Vemos isso nas gerações mais jovens, onde a resistência à frustração em nossas crianças e adolescentes é mínima.

Agora, o problema é mais complexo do que pode parecer à primeira vista. Por exemplo, em um estudo realizado na Universidade Nacional de Cingapura, onde mais de 1.158 estudantes foram analisados, conclusões interessantes foram alcançadas. Dr. Xinh Zhang, co-autor do trabalho, disse que há uma relação entre impaciência e incompetência cognitiva e social .

Além disso, são pessoas que julgam os outros rapidamente, não aprofundam as informações que lhes são apresentadas porque sua atenção é baixa e seu pensamento é muito rígido. Numa mente em que apenas a pressa não dá tempo para o prazer de se abrir para outras perspectivas e aprendizado.

Além disso, pessoas impacientes tendem a mostrar mais problemas em seus relacionamentos e na convivência.

Impaciência não é falta de paciência, é falta de educação
A impaciência, na realidade, é um comportamento presente em nossa própria cultura, contexto e até na educação. Os pais geralmente falham em ensinar seus filhos a tolerar a espera e a aceitar a angústia de não receber imediatamente pelos seus esforços.

De alguma forma, nós nos tornamos aquelas pessoas que roem as unhas quando a Internet demora para se conectar aos nossos dispositivos, quando alguém não responde em seguida às nossas mensagens, quando o semáforo leva muito tempo para ficar verde… É preciso transmitir a paciência, deve ser estimulada em casa e também na escola. No entanto, e mais importante , é nossa tarefa praticá-la diariamente em uma sociedade que nos obriga a ir sempre a 200 por hora.

Chaves para controlar a impaciência
A impaciência pode se tornar paciência se aprendermos, por exemplo, a controlar nossas emoções e impulsos imediatos. Para isso, vale a pena parar para refletir sobre essa série de estratégias:

  • Sob quais condições ela surge?
    Vale a pena parar para analisar as situações que frequentemente escapam ao nosso controle e despertam nosso lado mais impaciente. Para muitos, é dirigir, para outros educar uma criança ou adolescente desafiadora;
  • O que desencadeia isso?
    O segundo passo é identificar os gatilhos. Estes seriam alguns exemplos: ‘Estou impaciente para ver quão lento meu filho acorda de manhã para ir à escola’, ‘Estou muito impaciente quando estou em um congestionamento’, ‘sei que estou muito impaciente para esperar o resultado de certas coisas, como exames médicos, resultados de exames … e isso muda meu humor ‘
  • O que faço para enfrentar a impaciência?
    Nesse ponto, todos devem estar cientes de aplicar ou não alguma estratégia para controlar a impaciência, sabendo se é eficiente.
  • Aplique uma abordagem racional.
    Uma estratégia útil para lidar com a impaciência é fazer uso de uma mentalidade mais racional. Um exemplo: se me deixa nervoso ver como meu filho adolescente não se importa com suas responsabilidades, evitarei ficar bravo com ele. Eu sei que ficar de mau humor piora as coisas. Falarei pacientemente, raciocinando para chegar a acordos concretos.

Para concluir, é claro que pessoas impacientes sempre existirão, que até nós mesmos podemos demonstrar em certas circunstâncias um comportamento mais nervoso e impulsivo. Sabendo disso, deve-se lembrar apenas que existem meios e estratégias para treinar a calma; isso nos permitirá obter qualidade de vida .

Fonte: lamenteesmaravillosa.com
Autora: Valeria Sabater
Imagem: Engin Akyurt 

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *