Imagem

Não plante flores nos jardins de pessoas que não as regarão

Nossos recursos são finitos. Nossa energia não é inesgotável, da mesma forma que nosso tempo e nossa atenção não são. Isso significa que devemos ter mais cuidado ao decidir onde investiremos.

Infelizmente, muitas vezes não temos plena consciência de que nossos recursos emocionais e cognitivos não são inesgotáveis, por isso acabamos desperdiçando-os, participando de tarefas que não valem a pena ou relacionados a pessoas que não os valorizam.

Não se esforce por alguém que não valoriza o que você faz

Compaixão e capacidade de ajudar os outros são características que nos exaltam e nos permitem crescer como pessoas. No entanto, tudo tem um limite, após o qual você pode começar a se machucar sem perceber e sem que a outra pessoa avalie.

Como saber quando você está lutando inutilmente?

– Quando você se esforça mais para a outra pessoa que ela mesma.

– Quando seu nível de comprometimento for maior que o da pessoa que você está tentando ajudar.

– Quando você corre o risco de ajudar alguém, mas essa pessoa não arrisca praticamente nada sozinha.

– Quando você está ficando muito cansado, mas essa outra pessoa não está disposta a investir a mesma quantidade de energia.

– Quando essa pessoa não valoriza seu tempo, esforço e dedicação.

– Quando essa pessoa não estaria disposta a fazer o mesmo por você.

Nesses casos, seria conveniente que você se perguntasse se realmente vale a pena usar tanta energia, tempo e esforço para plantar flores que ninguém molhará, pois a pessoa que você está ajudando realmente não se importa.

Lembre-se de que existem situações em que a melhor maneira de ajudar é não ajudando.

Um equilíbrio insano em que um se desgasta e o outro não se compromete
Em muitos relacionamentos interpessoais, seja no casal, entre pais e filhos ou entre amigos, é estabelecido um equilíbrio doentio, no qual um sempre age como uma mesa de salvação enquanto o outro se limita ao apego.

Dessa forma, a pessoa que assume o papel de “salvador” acaba se desgastando, recebendo praticamente nada em troca. E a pessoa que é sempre “salva” falha em crescer porque está muito à vontade com seu papel.

Na prática, é como se você tivesse que plantar flores continuamente, porque como a outra pessoa não assume sua parte de responsabilidade e não as rega, elas sempre acabam secando. Obviamente, é um comportamento insano que ninguém repetiria, mas nos relacionamentos interpessoais, especialmente quando sentimentos estão envolvidos, nem sempre é fácil perceber que estamos plantando flores no deserto.

Isso não significa que você deva desprezar totalmente essa pessoa, mas é certamente um sinal de que você está se perdendo. Talvez essa pessoa seja egoísta demais para reconhecer seu apoio, talvez não esteja preparada para assumir a responsabilidade e o compromisso exigidos pela situação ou talvez não tenha percebido o esforço que você está fazendo para ajudá-la.

De fato, o principal problema desse equilíbrio insano é que você dá, se compromete e assume muito mais responsabilidade do que a outra pessoa para resolver um problema que não é seu.

Todos nós precisamos e merecemos ser amados, reconhecidos e apoiados.

Não é um quid pro quo . Mas todos precisamos saber que temos pessoas que nos amam, apoiam e reconhecem nosso esforço. Se damos continuamente, sem receber nada em troca, não devemos nos surpreender se um dia olharmos para dentro de nós mesmos e percebermos um enorme vazio emocional.

Portanto, embora não se trate de ajudar apenas aqueles que podem retribuir o favor, é importante que gastemos nosso tempo e energia com pessoas que realmente reconhecem nosso esforço e, acima de tudo, que estejam dispostas a se comprometer e assumir responsabilidades, não com mas consigo mesmos, com seu processo de melhoria e mudança.

Qual é a solução? Você simplesmente não deve plantar, mas ajuda a plantar, deixando claro desde o início que está disposto a ajudar, mas que a responsabilidade final não é sua e, portanto, espera o mesmo nível de comprometimento e esforço do outro lado.

Fonte: rinconpsicologia.com
Imagem: Miguel Á. Padriñán

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *