Imagem

Não há “falta de tempo”, mas falta de interesse

“Desculpe, não tive tempo” , é uma desculpa que provavelmente já ouvimos em mais de uma ocasião e à qual provavelmente também recorremos. No entanto, é apenas isso, uma desculpa, porque a verdade é que não falta tempo, falta interesse.

Quando algo não nos interessa, quando simplesmente não atrai nossa atenção ou não sentimos, é muito mais fácil nos esconder atrás das obrigações e das tarefas diárias. No entanto, quando algo realmente nos interessa e nos excita, tentamos fazer tudo se encaixar em nossa agenda, como se fosse um grande quebra-cabeça, e dedicamos o tempo necessário para dedicar a ela.

Quando mentimos para nós mesmos
O dia tem 24 horas, não podemos estendê-lo, mas podemos reestruturar nossa agenda para que possamos ter tempo para realizar tarefas importantes. Se não o fizermos, é porque algo no nosso inconsciente está nos empurrando para outra direção.

Quando adiamos constantemente uma decisão e afirmamos que não temos tempo para nos informar melhor, por exemplo, geralmente é porque no nosso eu mais profundo temos medo de dar o passo, talvez porque sentimos que não estamos preparados. Também pode ser porque o assunto realmente não nos interessa, estamos tão confortáveis ​​em nossa zona de conforto que não sentimos vontade de mudar e, portanto, mentimos dizendo que não temos tempo.

No entanto, mentir para nós mesmos é um jogo perigoso, porque podemos tomar decisões das quais mais tarde lamentamos, simplesmente porque nos empolgamos com as circunstâncias ou porque fomos forçados a decidir sob pressão. Portanto, da próxima vez que achar que não tem tempo, reflita um segundo sobre o que pode estar oculto por trás dessa frase.

Considere que, para ocultar, reprimir ou mascarar certas idéias e sentimentos ao nosso “eu” consciente, temos que fazer um grande esforço mental que se torna muito desgastante. Mentir para si mesmo é cansativo.

Ser honesto consigo mesmo evitará esse problema. Se, em vez de lhe dizer que você não tem tempo, que o fará amanhã ou talvez no próximo mês, você simplesmente supõe que é algo em que não está interessado ou para o qual não está preparado, fecha um capítulo e segue em frente, com menos estresse e preocupações. Você tira um peso enorme.

Comprometer-se com o que faz você realmente feliz
Na vida, seu bem mais valioso é o tempo. Você pode compartilhá-lo com quem quiser e fazê-lo feliz ou investi-lo naquelas coisas que o fazem vibrar e realmente o amam.

Isso significa que você não precisa atender a todas as expectativas sociais; deve apenas se comprometer com os valores que são importantes para você, com os quais realmente se identifica.

Lembre-se de que sempre viver na via rápida, encadeando um compromisso com o outro, um projeto com o seguinte e um relacionamento com o sucessivo, impedirá que você se conecte à sua essência e gradualmente se perderá.

Às vezes, você simplesmente tem que se dedicar a pensar, determinar o que realmente deseja e, acima de tudo, decidir o que deseja investir nos minutos e horas que tiver. Porque eles são limitados.

Fonte: rinconpsicologia.com

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

Imagem: Chevanon Photography

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *