Imagem

Não espere ter tudo para aproveitar a vida, você já tem a vida para aproveitar tudo

Quando crianças, desfrutamos imensamente da vida. Praticamente tudo era uma festa, uma oportunidade de descobrir, crescer, se divertir … No entanto, ao longo dos anos, sacrificamos a felicidade no altar do dever. Fomos ensinados que devemos trabalhar mais, nos esforçar mais, sempre ir além … nos disseram que, se ficássemos satisfeitos com o que tínhamos, seríamos conformistas.

Instalaram em nós a ideia de que não valemos por quem somos, mas pelo que alcançamos. Dessa maneira, aprendemos a estabelecer metas e focar nelas, a não desistir até alcançá-las. E assim a vida, sem perceber, tornou-se uma espécie de salão onde podemos apresentar nossos troféus. Nós nos tornamos as vítimas perfeitas do vírus que ataca nossa sociedade: a conclusão.

Existe um teste muito simples para saber se você também caiu nas garras deles: imagine que você conhece uma pessoa na rua e precisa explicar quem você é. Essa pessoa tem apenas meio minuto, então você deve escolher suas palavras com sabedoria para obter uma imagem o mais precisa possível de você. O que você diria? Pense nisso por um momento.

Se você indicar sua profissão e as coisas que alcançou na vida, provavelmente será vítima de uma conclusão. Sem dúvida, as coisas que você alcançou fazem parte de você, mas são o seu passado, não são o seu presente e, acima de tudo, não são você.

Você é muito mais, suas paixões, seus sonhos, suas ilusões, seus planos para o futuro, as coisas que você gosta e as que você não gosta, no que acredita, no que ama, no que faz vibrar, no que você vibra, o que lhe excita e também o que você odeia, o que rejeita e o que não gosta.

Por que o “conclucionismo” é tão perigoso?
Conclusão é a tendência de interromper a vida até alcançarmos certos resultados ou atingirmos certos objetivos. É a tendência de pensar que seremos melhores ou que seremos mais felizes quando conseguirmos algo que sempre está no futuro.

Obviamente, a conclusão encerra uma armadilha mortal, porque é realmente impossível adiar a vida, o tempo continua inexoravelmente, embora não a aproveitemos nem desfrutemos da vida, apesar de mentirmos dizendo a nós mesmos que amanhã será melhor porque quando tivermos conseguido que estamos tão ansiosos será mais feliz, mais relaxado ou podemos pagar certos “luxos”.

No entanto, a verdade é que não é necessário ter tudo para aproveitar a vida, porque já temos vida para desfrutar de tudo. Não há razão para adiar a felicidade, a alegria, o prazer, além da crença, ou melhor, da urgência que sentimos de terminar algo.

Essa crença corresponde à visão da vida como se fosse uma escada que devemos subir, onde cada passo é um objetivo cumprido. Obviamente, a sociedade está estruturada de forma a confirmar essa imagem, basta pensar nos diferentes diplomas que estamos obtendo à medida que avançamos de nível na escola. No entanto, o que lembramos daqueles anos é muitas vezes aquele grande professor, amigos ou como nos divertimos. Portanto, é compreensível que nos perguntemos se realmente estamos focando bem a vida.

A vida é o que acontece enquanto estamos ocupados fazendo outros planos
O conceito que você tem da vida determinará como você vive e, acima de tudo, com que espírito você enfrentará as diferentes situações que encontrará no seu caminho. Não é uma ideia puramente filosófica, mas tem implicações muito práticas para a vida cotidiana.

Particularmente, gosto de pensar na vida como um rio que flui constantemente e no qual muitos projetos, objetivos e metas são justapostos, embora todos acabem sendo arrastados pela corrente, fazendo parte do nosso passado. Isso significa que a vida não é uma corrida em direção à meta, não é uma competição para ver quem alcançou mais méritos, mas um fluxo de experiências, às vezes agradáveis, às vezes não tanto, mas sempre valiosas.

Quem não entende a diferença corre o risco de viver com pressa, sempre esperando os “bons anos”, que provavelmente nunca virão, porque estão acontecendo agora. A boa notícia é que é você quem decide como lidar com eles: em uma carreira angustiante em direção a um objetivo inexistente ou em um fluxo suave em que cada experiência conta.

Uma reflexão de Charles Chaplin é particularmente esclarecedor: “Quando realmente me amei, entendi que, em qualquer circunstância, estava no lugar certo, e na hora certa, para relaxar.

Hoje eu sei que tem um nome: Auto-estima

Quando realmente me amei, parei de desejar que minha vida fosse diferente e comecei a aceitar tudo o que acontece e contribui para o meu crescimento. Isso é chamado: Maturidade

Quando realmente me amei, parei de temer o tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os megaprojetos do futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje eu sei que é: Simplicidade

Quando realmente me amei, desisti de reviver o passado e me preocupar com o futuro. Agora, eu fico no presente, que é onde a vida acontece. Hoje eu vivo um dia de cada vez. E isso se chama: Plenitude

Fonte: rinconpsicologia.com

*Texto traduzido e adaptado com exclusividade para o site Natthalia Paccola. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.

(Imagem: Igor Link)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *