Imagem

QUANDO O PAI ESQUECE O FILHO DO PRIMEIRO CASAMENTO

Um homem que se finge de burro é mais burro do que um burro honesto.

O que me dói é ver um pai casar de novo e esquecer o filho do primeiro casamento. Esquecer. Nenhum cartão de Natal ou presente debaixo da lareira.

É que ganhou um herdeiro do segundo casamento, está envolvido na escolha do enxoval, no anúncio do jornal, em fumar charuto com o sogro e com aquela vaidade suprema de ostentar para sua esposa que é experiente e sabe segurar a criança.

Ele apaga a casa anterior — com o que havia dentro dela — e se apega à casa recente. Entende que sua criança ou adolescente cresceu o suficiente para não depender mais dele. Nenhum filho cresce o suficiente para ser órfão de repente, não importa a idade.

Aquele filho a quem amava e criava com zelo, a quem aconselhava e trocava as fraldas passa a existir somente como uma pensão, uma linha do seu contracheque. Não pergunta. Não telefona. Não se encontra fora de hora. Está muito ocupado criando um bebê. O que dá para entender é que ele não ama o filho, mas a mulher com quem se encontra no momento. Faz qualquer coisa para agradá-la, inclusive negar a paternidade do primeiro casamento.

É do tipo ou tudo ou nada, ligado à figura masculina patriarcal, que oferece e tira conforme suas vantagens. Não é bem um pai, mas um latifundiário emocional, desconfiado, sob permanente ameaça de invasão de suas terras.

Mãe é diferente, sempre se elogia quando menciona seu filho. Mareja os olhos ao mexer na gaveta das camisas, coleciona bilhetes e desenhos, inventa uma porção de neologismos no abraço. Não se guarda para depois, para um melhor momento, está disposta a conversar pressentimentos e costurar recordações.

Pai costuma se omitir no momento do desabafo. É comedido demais para estar vivo. Troca de personalidade, de residência, de amor, o que precisar, no sentido de prevenir a sobrecarga de problemas. Para namorar, ele some por meses (exatamente o contrário da mãe, que administra o final de semana com o apoio da babá e da avó). Homem ainda não conseguiu conciliar sua vida profissional com a afetiva. Não é capaz de unir nem a vida afetiva pregressa com a vida afetiva atual. Cuida de um afeto por vez.

Pai não forma sindicato, não cria associação. Continua defendendo que ninguém tem o direito de se meter na vida dele e converte em inimigos os amigos que insinuam sua indisposição filial.

Ele se separou de uma mulher, não do seu filho, mas culpa o filho porque não consegue completar uma frase com a ex. Parte do princípio de que ajudando o filho está ajudando a ex. Gostaria de matá-la, mas então se mata para o filho.

Ou entende que seu filho deve procurá-lo, cria paranoias e neuroses para aliviar sua culpa. Age como um ressentido, fala mal do filho do primeiro casamento para a mulher do segundo casamento, alegando ingratidão. E a mulher do segundo casamento concorda com o absurdo porque está preocupada com o nenê e deseja a exclusividade do marido. E não entende que um irmão depende do outro irmão, que uma família não cresce por empréstimos.

Homem tem que aprender a sofrer em público, sofrer por um filho o que sofre por uma dor de cotovelo, apanhar das cólicas e da coriza, desabar numa mesa de bar, beber interurbanos, fechar a rua e o sobrenome para encurtar distâncias, chorar nas apresentações escolares, fingir abandono a cada despedida, para só assim mostrar que pai, pai mesmo, nunca será dispensável.

Autor: Fabricio Carpinejar

Compartilhar

134 thoughts on “QUANDO O PAI ESQUECE O FILHO DO PRIMEIRO CASAMENTO

  1. Marcia Angelotti says:

    Adorei o texto. è exatamente isso que acontece com os pais que se separam da esposa e em consequencia dos filhos. Vão chover indignações, homens tentando reverter o texto, mas é exatamente isso. Alguns até que fingem se importar. De vez em quando vem buscar em um fim de semana por mês e a segunda ou terceira esposa(com raras exceções) sempre dá um jeitinho de sabotar esse encontro ….. pena. Tudo poderia ser melhor…Raro são os homens que impõem os filhod do primeiro casamento com a atual, e qdo chega o filho desta então, a dificuldade almenta. Não estou dizendo , de maneira alguma que a atual é uma Má-drasta… , mas a situação , como disse o texto: ela deseja o marido só para ela, e há necessidade para o proprio bebe. Já vi, madrasta ( que não é madrasta poi sa mãe continua viva) excluir totalmente o filho do marido com a outra mulher, a ponto de nem servir comida , qdo esse vem visitar o pai. E tb vi pai folgado que vai jogar futebol e deixa o filho com a madrasta…. coitados…Qdo os filhos ficam adolescente ou adultos , a situação muda, eles entendem melhor e não querem mais o pai por perto , se a situação for essa.. melhor. Parabéns aos pais que sabem da necessidade dos filhos do casamento anterior e parabéns à essas mulheres que , mesmo só um fim de semana, entendem e assumem o filho do primeiro ou segundo casamento do marido, numa boa.

    • nuno says:

      Pois talvez a maioria dos homens ainda seja assim mas, as mulheres de hoje em dia estão a tornar – se nos homens de antigamente… Quando um homem com apenas 22 anos se junta com uma mulher já com uma bebé de 1 aninho e a cria como se fosse sua, quase que dando mais atenção e carinho para a menina que a própria mãe e a sua vida de jovem de saidas aqui e ali acabou mas por opção … e o que interessa é trabalhar para sustentar a família e ir o mais rápido para casa para estarem juntos… quando mais tarde e como sempre sonhou vai se tornar pai, e após o nascimento do seu bebézinho nota um distanciamento e um desapego da mãe para com o filho, mas… é capaz de ser só stress pós parto ou até impressão… Quando ao fim de 6 meses o bebézinho tem um relacionamento tal com a mãe que não consegue estar no colo dela muito tempo sem chorar e, para ajudar quando até à própria filha prefere estar com o “pai” que com a mãe… prefere que seja ele a dar o comer á boca, ensine os deveres da escola, etc ….. Quando o bebé já tem quase 3 anos e um distanciamento quase total da mãe e a mãe dele que quando a união chega ao fim os únicos dias que a mãe escolheu para ficar com ele foram 2 dias de semana (separados) e que o coloca no infantário. Quando o pai vai sempre buscar o seu filhinho que tanto ama e trás também a irmã que a considera sempre como sua filha. Quando o pai conhece outra mulher e nunca mas nunca abdica do seu filho por nada. Quando nasce o segundo filho e ele o ama do mesmo jeito que ao irmão, quando a mãe do segundo filho começa a ter comportamentos absurdos e inseguros de ciúmes para com os filhos arranjando guerras com o primeiro filho. Quando mais uma vez abdica de toda a sua felicidade e “vida” ( a sua vida são os filhos) em prol da segurança e felicidade dos filhos. Quando enfrenta nova separação e mesmo assim não abdica de nenhum dos filhos…. Quando fica com o segundo filho em semanas alternadas e faz 150 Km todas as semanas só para o ir buscar. Quando a mãe do primeiro filho resolve ir para tribunal numa tentativa desesperada de agora que o filho já não dá trabalho e vai para a escola, sempre pode ganhar algum dinheiro com a pensão. Quando o pai passa por todos os tormentos que um processo destes dá com tribunais e advogados e serviços sociais em que basicamente é sempre tudo a puxar para a mãe independente das circunstâncias e mesmo assim o pai luta e luta sempre com todas as suas forças pelo seu filho e ao fim de muito tempo consegue GANHAR em tribunal a guarda do seu primeiro filho… Quando é proibido pela mãe do primeiro filho a qualquer contacto com a “filha” pois perdeu em tribunal e tinha de se vingar de alguma maneira… Quando tem de tratar de 2 crianças e de toda a lida da casa e trabalhar e mesmo assim garantir momentos de brincadeira e diversão e cumplicidade com os seus filhos… Quando tem a consciência que apesar de tudo a mãe do seu segundo filho trata o menino como uma mãe deve tratar e ajuda em tudo o que puder para manter o bom relacionamento de mãe e filho…. Quando a ” filha” manda SMS de Feliz dia do pai e tenho saudades tuas, ás escondidas da mãe e perante isto faz tudo ao seu alcance para que um dia possa novamente manter um relacionamento de pai e filha tanto quanto for permitido pois sabendo que não é mesmo sua filha os poderes são poucos…. Quando no meio disto tudo sacrifica sempre a sua vida pessoal e afectiva sempre a favor dos seus filhos que NUNCA JÁMAIS EM TEMPO ALGUM ESQUECERÁ por nada nem niguém…. Quando por isto e muitas coisas mais acontecerem por parte de um pai, posso dizer que NÃO os homens NÃO são todos iguais, ainda podem ser muitos mas cada vez há mais mães iguais ou piores….
      Filho é sempre filho até ao fim dos nossos dias e jamais nenhum pai ou mãe deveria trair a sua confiança e amor por eles e eles por nós….
      Infelizmente para mim e de certeza muito mais para os meus filhos o que relatei atrás passei e passo eu todos os dias…
      De momento o meu filho mais velho foi passar a semana de férias com a mãe conforme estipulado e a saudade aperta todos os minutos até ele regressar de novo…
      Não generalizem a figura “PAI” porque os tempos já são outros….

      • Renata says:

        Como você disse:
        O ser humano independente de “homem” ou “mulher” não são iguais
        Mas infelizmente a maioria dos pais agem segundo o texto. Eu disse: “A maioria”.
        E só tenho a lhe dizer PARABÉNS por ser umas das excessões.

      • Kalini says:

        Parabéns Nuno!! Mas acredite, um pai como vc é muito raro! Sei que existem
        .. tbm sei que existem mães que não deveriam nunca ter tido filhos, pois os vêem como um “impecilho” largam nas creches apenas pra terem mais tempo Pra dormir. Mas casos como o seu são bem raros .. acredite

        • Emerson says:

          Ai. Ai ta certo mas quando a mae resolve ter um outro homem. Que os filhos fica naquela surubeira de opinioes. E ai acho melhor deixa los viver suas vidas

      • Bianca says:

        Nuno, Parabéns a você por ser uma pai de verdade.
        Mas infelizmente você é uma exceção.
        Que tenhamos no mundo mais Nunos.
        E força !!! Seus filhos sentem como você age e sabem que você os ama.

      • Márcia says:

        Não podia deixar passar este comentário em branco, sem lhe dar os parabéns pelo grande PAI que é haviam de ser mais assim, acredito que o sofrimento é muito ao passar por tudo isso, mas a recompensa em sorrisos e bem estar dos seus filhos é ainda maior e que não tem preço!
        Espero do fundo do coração que um dia não distante consiga reatar a tua relação com sua “filha”!

      • Adriana Mendes says:

        Mil parabéns para você Nuno, és um tesouro de pai, e teus filhos tem muita sorte de o te-lo nesse papel tão importante na vida de uma criança.Infelizmente tu és uma exceção no meio de tantos. Concordo também nesse contexto todo tem mães que não ligam para os filhos,ocorre,mas bem menos.

      • Cid says:

        Exatamente o que eu pensei ao ler o texto. É de uma ignorância tamanha generalizar todos os homens ainda que fosse atitude da maioria. Os tempos são mesmo outros e o texto reflete uma visão totalmente parcial provavelmente de uma experiência pessoal. Não meu amigo, nem todas as mães são anjos de Deus e há muitos e muitos pais que sofrem muito, exatamente por sempre manter seus filhos em primeiro lugar independente de qualquer coisa. Há muitos pais que abrem mão de tudo pela felicidade dos seus filhos, e infelizmente há muitas mães que se aproveitam disso usando seus filhos para se beneficiarem com algum trocado.

      • Joseph says:

        A minha situação, se não igual, é muito parecida com a tua. Sou pai extremoso de um menino, e de uma menina que a minha ex-companheira teve de uma anterior relação. Revejo-me muito nas tuas palavras e subscrevo inteiramente. A justiça protege tanto a “mãe”, que chega a ser ultrajante, a forma como o futuro das crianças se desenrola, funcionando como joguetes contra a figura do pai. Há muitas mulheres que não deviam ser mães e também as há, que vivem sob a aparência de serem boas mães, mas não o são e nunca serão. Eu não sou formatado para aceitar o texto como realista, nem para aceitá-lo como sendo um caso de que é o que acontece na maioria das vezes. Conheço tantos casos destes, de amigos e colegas, que acabaram por desistir e tentaram começar de novo, tal era o inferno em que viviam junto das mães dos filhos deles. Até por puro despeito, característica por excelência feminina e chantagem emocional que essas “mães” fazem utilizando os próprios filhos. Afinal, quais de nós, homens nunca ouviram um frequente e tradicional “sais por essa porta e nunca mais vês o teu filho”. No Brasil então, pensão de filho é investimento, nalguns casos bem profícuo. Um bem haja.

      • Rosa Silva says:

        Toda a minha admiração e sei que existem homens excepcionais…verdadeiros pais!! Porque também existem mães sim que não passam de meras progenitoras .
        Força Nuno tudo de bom na vida

      • Tainá Martins says:

        Achei a matéria acima super interessante e realista. E quero dizer a você Nuno, que toda regra tem sua exceção. Seja feliz por ser parte da exceção. Eu tenho 26 anos e cresci com o meu pai longe pela esposa, sofri muito e queria que fosse diferente. Após quase 4anos de casamento, com um filho de 2anos, meu ex marido se separou de mim e do filho. É dentro desses 26anos poucos foram os “PAIS” de verdade que vi. Então seja sempre assim, mesmo que se generalize, você sendo a exceção é o que importa. Seus filhos devem ter muito orgulho de você. Parabéns!

      • Karen says:

        Adorei o q vc escreveu!!A maioria das pessoas criticam o pai, poucos falam das maes…mas a verdade e q ultimamente, as mulheres nao sao tao santas assim.estou com meu marido a 8 anos…praticamente nao namoramos, pois ele tem 2 filhos…cuidei deles quase todos os fds, e nao e pq o pai largou comigo nao. Era pq ou ele trabalha ou nao tem condicoes financeiras pra todas as despesas…trabalho 5 dias por semana.e a ex nao ligava…ferias, fim de ano, natal…sempre com a gente.msm ardendo em febre mandou eles aqui.agr msm esta numa viagem ao exterior, nunca levou eles pra viajar e sempre ela sozinha…e ainda por cima vive mandando mensagens pra reclamar…querendo mas dinheiro!!

      • Taíssa says:

        Nuno, parabéns por ser diferente! Vivi a situação mostrada no txt há uns 30 anos e hj vejo minha irmã no mesmo barco… Meu problema é que ele a afastou de mim e eu, vendo minha única irmã nessa situação, não posso fazer nada para ajudar, pois ele tanto fez que ela mal me conhece e, por conseguinte, não confia em mim… Que seus pequenos saibam reconhecer seus esforços! Pai é quem cria, e o meu, que me criou, infelizmente já desencarnou, mas me deixou uma irmã de coração e um sobrinho lindo!!! Da mesma forma que seus pequenos… Portanto, acho que entendo perfeitamente o seu lado e o do txt… [=

    • “latifundiário emocional”, bem isso. É mais fácil dar dinheiro do que se esgotar psicologicamente com os filhos. Eles lavam as mãos e dizem: pago a conta de água, se vire pra cuidar da criança.

    • Jussara says:

      Desculpe já vi mãe excluir filhos também depois de separação e a madrasta criar os dela como se fosse seus e vi pai fazer a função das mães.

    • Lili says:

      Concordo com praticamente tudo o que você acrescentou Marcia, mas é importante lembrar das mães, que após a separação, não aceitam, em hipótese alguma, que seu ex marido retome a vida, usando para isso, os filhos como arma de guerra.
      Cito minha experiência como exemplo:
      Sou separada e tenho dois filhos do primeiro casamento e me casei novamente com um homem separado, também com dois filhos do primeiro casamento. Nossa primeira preocupação, desde o namoro, era conciliar nossa vida como casal sem mudar ou prejudicar a rotina com nossos filhos, tomando a precaução de, sempre que possível, juntarmos os quatro em atividades de laser e convívio, o que tornou nosso relacionamento quase que insuportável, a ponto de eu desistir dele para não interferir no relacionamento com os filhos.
      O motivo dos problemas era que a ex mulher não aceitava de maneira nenhuma que o ex marido tivesse outro relacionamento, e pior ainda, que seus filhos se dessem bem com essa pessoa, chegando ao ponto absurdo de ameaçar o filho menor de expulsa-lo de casa caso ele me tratasse bem.
      Meu ex marido por outro lado, nunca se intrometeu em meu relacionamento, mas faz mais de 4 anos que não sabemos nem onde ele mora. Evaporou sem deixar rastros… Escolhas são escolhas, enfim…
      Mas depois de muitos problemas sérios conseguimos acertar os ponteiros com a ex mulher do meu atual marido e apesar de ainda haver contratempos, os meninos entendem que o contato só não é maior para evitar atritos com mãe deles. E como foi muito bem dito, crianças crescem e percebem quem é o “vilão” da história, e posso assegurar que a falta de maturidade entre os ex casais é que são prejudiciais, afinal, não existem EX FILHOS!!!
      Eu sei das grandes responsabilidades de se criar um filho, mas quando as mulheres enxergam seus filhos como plano de previdência, ou como arma vitalícia contra os homens, a coisa se torna catastrófica para os crianças.
      Como vocês podem notar, meu relato é de alguém que vivi os dois lados da moeda, onde o pai dos meus filhos, os abandonou e a mãe dos filhos do meu marido os usa e nós dois tentando arrumar uma maneira de não deixar que isso afete a vida dos nossos filhos!
      Toda moeda tem dois lados, não acho que ninguém mereça parabéns por desempenhar seu papel dignamente, mas reconheço que não existem apenas ótimas ex mulheres que sofrem por seus filhos abandonados pelos ex maridos influenciados ou não por suas atuais mulheres…

    • Hélio says:

      Tenho um filho de 8 anos onde acontece isso q está escrito só q ao contrário. Estou lutando na justiça a meses pra está com meu filho. A mãe dele me proibiu de ver ele no aniversario dele, dia das crianças, dia dos país e até no meu aniversário. Dia nenhum eu posso ver meu filho. Antes eu falava com ele por telefone. Mas agr nem isso posso mais. Acho q o marido dela foi quem fez ela proibir. Estou pensando em tomar atitude contra ele sei q vou ser preso, mas uma hora vou sair. Estou pensando duas vezes se faço algo contra ela TB pq sei q meu filho vai sofrer sem a mãe. Coisa q ela não quer nem saber. Meu filho me ama e da última vez q consegui falar com ele, ele me disse que apanhou no momento em q ele chorou e a mãe perguntando pq q ele estava chorando sem motivo e meu filho disse: saudades do meu papai. O marido dela ouviu e brigou com ela então ela disse: agora VC vai chorar com vontade e bateu no meu filho pra agradar o marido. A justiça ta muito lenta , acho q eu vou ter q resolver logo isso antes q algo grave aconteça.

    • Michelle says:

      No meu caso é diferente, meu noivo tem uma filha adolescente, que nem conversa com ela e moram na mesma casa, mas trata melhor mil vezes melhor o filho de uma ex mulher que não é filho dele, ja tentei várias vezes uma aproximação dele com a filha, mas é em vão. …Não sei o que fazer.

  2. Julio says:

    Gostei da dissertação, porem me pareceu muito generalizado de que pai é assim e mae é de outro jeito.
    Em dias de hoje, onde o gênero é algo não mais tão determinante, se torna mais frequente a inversão destes papeis. Hoje muitas mães vão trabalhar e o pai cuida da casa e das crianças. Infelizmente ainda falta amparo social para motivar mais essa igualdade, como fraldarios em banheiro masculino ou espaço infantil em locais públicos onde os pais possam acompanhar seus filhos e filhas tranquilamente.
    Sou separado e judicialmente a guarda é da mãe, porem sou eu quem passo a semana inteira com nossa filha, já que a mãe trabalha e estuda tendo só o fds pra ficar com a pequena. Sim eu também tenho outra companheira que também me auxilia no cuidado da minha filha.
    Então fica um tanto tendencioso dize que ” pai é assim mae é de outro jeito”
    Dentre eu e a mae dela sou eu quem guarda os desenhos e atribuo simbologias ao nosso abraço.
    Os valores estão se misturando e invertendo.
    Precisamos incentivar isso para que seja mais aceitável que pais com características de mãe sejam mais aceitos como ganhadores de guarda.

  3. roseli says:

    Há também filhos do primeiro casamento que muitas vezes optam por esquecer o pai… Alvos fáceis de mães que, se sentindo abandonadas, inconformadas pela falência do casamento, transformam seus filhos em moedas de troca, os influenciam a odiar a nova esposa do pai e os orienta a fazer da sua presença, um transtorno na vida da nova família …Pobres mães, que colocam suas mágoas acima da saúde emocional de seus filhos e minam seu relacionamento com seus pais, de tal forma, que a medida que crescem, essas crianças cristalizam a crenças de que não eram amadas e cuidadas de verdade, e que por isso, aos pais, apenas sua hostilidade e revolta. E a atual esposa, a madrasta?? Bem, esse é assunto pra outro comentário, pois tenho plena certeza de que a maioria é boa e quer ser acolhedora.
    Acho importante pensarmos no outro lado desta moeda…
    Abraço

    • Patricia says:

      Falou tudo.Muitas vezes o culpado nem é o pai e sim a propria mãe que afasta os filhos tentando se vingar e acaba nem pensando na vida emocional do proprio filho.

    • Madalena says:

      Isso mesmo a alienação parental que mães frustradas fazem com seus filhos, para punir o ex, é uma maldade, e depois se já intitulam pães, a heroína abandona que criou sozinha, só que por de traz, e a que foi z de tudo para transformar filhos revoltados e achando o pai monstruoso. Tai cheio do tal tipo de mães!¡!

    • Bianca says:

      Infelizmente o autor nao abordou esta realidade. O texto ficou entao muito parcial quando a mae, as vezes ate sem querer promove este afastamento do pai (ou do filho para com o pai).

  4. Deise says:

    Quanta bobagem, generalizar assim os pais. E porque não fala da mãe que faz de tudo para dificultar a relação do pai com os filhos? Pena de você, por não saber enxergar os dois lados.

  5. ILaerte says:

    MUITO VÁLIDA A ANÁLISE. NÃO SERIA, PORÉM, INTERESSANTE E JUSTO OUVIR TAMBÉM DE AMBAS AS PARTES A SUA AUTO-CRÍTICA?

    OU APENAS ERRA O HOMEM E AS MULHERES ATINGIRAM JÁ A ANGELITUDE E A SUBLIME PERFEIÇÃO?

    • Concordo com você Ilaerte, só que no meu caso foi diferente, criei meu filho até os 10 anos de idade, depois fiz um segundo casamento (que Deus me abençoou), meu segundo esposo criou meu filho como se fosse filho dele, pagou minha Faculdade, hoje graças a Deus tenho duas Faculdades, 2 pós graduação, coisa que não teria se estivesse casada com o primeiro:
      O pai biológico do meu filho nunca enviou um centavo, para ele, sequer um pão seco, para ele comer, quando era só eu e ele, meu filho cansou de enviar fotos de festivais da escola, o pai dele enviar de volta, eu sustentava o pai do meu filho, para ele estudar, para depois dar uma vida digna para mim e meu filho, (logo ele arrumou uma amante, ), eu não aceitei as propostas que fizeram para mim, minha formação tanto familiar e religiosa não foi esta de ser a esposa, e não enxergar a amante, vim para casa da minha mãe, eu e meu filho, meu irmão fez minha mãe enviar nos dois, para uma Cidade onde não conhecia nada porque ele se tornou dono de tudo que meus pais tinha, graças a Deus lutei e depois de anos Deus pois este homem em minha vida, e ajudou na criação do meu filho, (MAIS O PAI DELE, NUNCA MANDOU UMA CARTA, UM CARTÃO DE NATAL, UM PRESENTE UM FELIZ ANIVERSÁRIO), a única coisa que fiz e faço, é clamar a Justiça Divina, nunca joguei meu filho contra o pai dele Deus é testemunha disto, quando ele precisou do pai a 6 anos atrás, este monstro virou as costas para meu filho como se ele fosse lixo. Sempre digo tudo que se planta nasce, depende da maneira da plantação.
      Então é melhor ver as duas razões, já atendi casos, em que a mãe queria que o Juiz fizesse um documento para o Pai nunca mais ver o filho, e o Juiz abrir a porta e mandar ela sair da sala, (Outro caso o pai querer ficar com o filho para não pagar pensão), então tem que analisar que cada caso é um caso.

  6. Nilton Dias says:

    Belo texto, mas o que dizer de uma mãe que está alienando a filha, para não deixar o pai ser esse pai presente do elencado nos paragrafos…o que dizer a um pai que ama sua filha mas cada vez que descobre o telefone para contato com sua filha, a mãe muda. Dois anos se passaram, construi sim uma nova família mas o lugar de minha filha ainda continua aqui, no espaço físico e no meu coração. Vou ser cobrado de uma ausência forçada pela mãe maravilha que a justiça resolveu dar uma chance a ela por boa conduta? Que conduta?
    Desabafo de um pai alienado.

    • LCK says:

      Aqui em casa passamos pela mesma coisa. A primeira esposa do meu marido troca o telefone da menina assim que desconfia que o tenhamos, e a menina só fala com ele ao telefone com a mãe ao lado. Qualquer convite para sair, a menina não responde e a mãe fica falando ao fundo. Não é à toa que nunca aceita… Tenho um filho de 3 anos que essa semana chorou toda a noite para conhecer a irmã.

  7. marina says:

    Como uma filha abandonada eu digo, é exatamente isso o que acontece. Qual a ultima palavra de carinho que eu recebi do meu pai? Não me lembro.

    • Don Marión says:

      Marina concordo plenamente com vc, os homens de hoje não valem nada, enjoa da mulher e arruma outra, ai começa o drama da ex mulher e dos filhos, pagar uma merda de pensão chorada no Fórum dizendo que é pobre ou esta desempregado, para pagar uma pensão minima e ferrar a ex em beneficio da outra, crio o meu neto hoje com 17 anos e nunca recebeu carinho, amor, de seu pai, mais isso nunca faltou dos avós e sua mãe que o amamos muito. Cada vez que via o lazarento do meu ex genro era no Fórum para pedir redução da pensão, Marina acredite que Deus é maior e vc será muito feliz sem a presença deste pai ingrato, que um dia ele fica velho e vai chorar e pagar pelo mal que cometeu em sua vida.
      Don Marión…

  8. Thaís says:

    Uma pena que além de generalista, o texto não aborde todos lados: pai, filho, mãe e companheira atual.
    O que foi escrito neste artigo acontece sim, mas ultimamente o cenário tem mudado e existem problemas causados por outras vertentes – como o desinteresse do próprio filho e a influência negativa da mãe nessa relação paternal.
    Família sempre será um assunto delicado e é fácil para quem está do lado de fora da situação, julgar os protagonistas de maneira simplista, quando não se sabe o que acontece de fato em suas vidas.

    • kelly says:

      Olha gente, td mto bonito. Mais vivo d outro lado ,sou a atual e a ex manipula o filho e o filho manipula o pai. A situação s torna insuportável e o pai cai aos controles e comando d filho bem orientado pela mãe, Sempre tentando chamar atenção e criar problemas. Amava meu entiado , hj já não consigo ter uma relação saudável e por motivo q o pai dele não impõe limites e s cega c todas as manipulações q ele e a mãe fazem decorrente da culpa q sente ao ter deixado ele p traz c a mãe. Nem sempre esse filho e essa ex fazem por onde dar certo!!! Meu atual é um pai excelente , acho q ate d mais. E vou dizer a vcs , p estar do lado dele tendo q suportar um filho problemático e a mae dele tentando destruir seu relacionamento é só amando mto p dar conta. A lado e lado a histórias e histórias.

  9. paulo goncalves says:

    Adorei o texto …
    É exatamente assim infelizmente falo por mim .
    Eu era um ídolo para minha filhas ,quando me separei da mãe delas
    inclusive a mais velha então com 16 anos culpou a mãe da separação e fugiu de casa para viver comigo .
    Devido á vida profissional era impossivel.
    Depois voltei a casar e teve outra menina e aconteceu exatamente o que está descrito a juntar a isso havia ainda uma certa distancia geografica :
    Resumido devido a chantagens da minha segunda mulher em relação as minhas filhas levou-me a nova separação :
    Tarde de mais a minha mais velha deixou de falar comigo e a do meio se distanciou .
    Hoje sou um homem triste amargurado e arrependido de certas situaçoes mas …tarde de mais !
    OBRIGADO !

  10. Eduardo says:

    Desculpem mas é um texto Lamentável, Horrível e preconceituoso. Isto é o que ocorre quando se recorre a generalizações.
    Texto cheio de mágoas e lamentações que me parecem pessoais.
    Sou filho de pais separados e , agora como adulto, casado pela segunda vez, sou pai de três filhos, sendo 2 do meu primeiro casamento.
    Embora reconheça ser fácil tergiversar sobre o estereótipo de que todo homem é Fdp por natureza e só se separa porque quer trocar de mulher por uma mais gostosa ou outra coisa, deixando a ex mulher no papel de vítima de uma trama diabólica abandonando filhos , sinceramente nem toda a história é assim, cometo o abuso em dizer que nos dias atuais uma grande parte já não é mais representada por esta visão deturpada contada neste “causo”
    No meu caso, hoje todos os meus filhos moram comigo, decisão tomada em comum acordo com a mãe, após alguns anos de separação.
    Primeiro a decisão pela separação fora difícil, delicada e sobretudo, lenta, pois no que pensava era sempre o bem estar de meus filhos e por óbvio, o meu.
    Ninguém jamais é obrigado a viver no martírio, na infelicidade constante de um casamento falido ou fadado ao fracasso. Todos têm o direito básico de buscar a felicidade, não a felicidade a qualquer custo, e nem muito menos construída sobre a tristeza e sofrimento alheios, mas todos devem ser felizes na medida do possível, e isto inclui ter alguém ao lado que possa compartilhar desse desejo.
    Só pude decidir pela separação definitivamente quando realmente fui capaz de entender o quanto estava fazendo de mau e mim mesmo, a meus filhos e também a minha ex mulher mantendo uma relação que já não existia, simplesmente para cumprir um manual que a sociedade nos impõe. Logo viriam brigas, mentiras e traições. Não queria isso pra mim e nem muito menos pra eles.
    Após a separação jamais coloquei meus filhos em segundo plano, principalmente quando surgiu outra pessoa, a primeira preocupação era poder perceber como seria o relacionamento.
    Uma das minhas exigências, que embora nunca foram ditas claramente, ficaram subentendidas, era evidente que qualquer possibilidade de me relacionar com alguém era a completa e mais pura aceitação que eu era alguém separado, adulto, com dois filhos na bagagem e que em hipótese alguma abriria mão da companhia de meus filhos.
    Por evidente que cabe a cada um fazer suas escolhas, mas sinceramente um calhorda que troca seus filhos por um par de pernas não merece o mínimo respeito de quem quer que seja.
    Sorte ou destino ? Não sei, só sei que como comentei acima, hoje sou casado novamente, deste surgiu mais um filho, neste caso uma menina e meus dois filhos do primeiro casamento moram conosco e com todas as ressalvas que a vida nos dá, entre todos os problemas normais do cotidiano e afins penso que somos felizes. Mas enfim, o tempo é que vai dizer.

    • Andreia says:

      Concordo plenamente com você!
      Sou separada a quase 4 anos e posso e afirmo que o pai da minha filha é um paizão e faz tudo e mais um pouco por ela. Muitas vezes participa mais da vida dela do que eu, porque meu trabalho infelizmente não tem horarios flexiveis….
      Hoje os pais estão cada vez mais participativos na criação dos filhos depois que se separam.
      É muito comum numa separação a mulher por orgulho ou por mágoas, descontar na convivência dos filhos com os pais e acabam impondo vários limites. Vejo amigos, conhecidos passando dificuldade para ter contato com os filhos e muitas vezes são obrigados a entrar na justiça para terem os seus direitos como pais reconhecidos.
      É fácil falar da vida dos outros e julgar, mas só quem passa por uma separação sabe o que a realidade.

  11. junioor says:

    Sem querer generalizar, mas exatamente o que aconteceu comigo, meu pai ao se separar da minha mãe grávida do meu irmão que tem 22 hoje eu tenho 40 anos e a 20 anos meu pai deixou de ter contato, prometia a meu irmão mais novo que ia aparecer e nada… muito triste ver a criança se arrumando e depois ficar esperando na portaria e nada do pai, muitas vezes aconteceu comigo também e com minhas irmãs. No caso dele não teve nenhuma criança do segundo casamento, mas aparentemente uma influencia da nova esposa. Isso juntando ao fato de ele ter falado no ato da separação que cansou de ser pai, o que foi um baque para mim escutar isso de um pai e ele realmente se afastou, eu também me afastei e o que se passou nesses mais de 20 anos é uma completa revolta da minha parte contra uma pessoa destas! Eu que não quero convivência nenhuma nem que minha filha tenho contato com um avô destes, os pais que fazem isso não tem noção do que causam nos filhos… Mas é legal saber que tem pais que vão na corrente contrária desse pensamento absurdo! O texto é muito bom e descreve sim um comportamento de algumas pessoas…

    • Bianca says:

      Nao vale a pena quardar tanto rancor, tanta raiva. Seu pai nao foi um bom exemplo, mas com tanta raiva voce tambem nao estara sendo um bom exemplo para a sua propria filha. Em alguma geracao a corrente tem que ser quebrada. De a sua fiha o exemplo do amor, do perdao. Perdoe nao por ele merecer…mas porque sua filha merece. 😉

  12. Andreia says:

    Isso acontece muito,  mas também está acontecendo ao contrário. Conheço país também que foram deixado com os filhos e a mãe simplesmente foi embora é se casou novamente e fez nova família. Um caso comum é  quando os pais se separam é a mulher muitas vezes impõe limites de visitações; sabota as visitas e  fala mau do ex para os filhos.  Vejo inúmeros pais entrando na justiça para ter o direito de ver as crianças. É  fácil julgar quem está de fora.
    Hoje ao meu ver,  a participação do pais na criação  dos filhos depois da separação está muito maior do que a dez anos atrás. Sou mãe,  sou separada e posso dizer que o pai da minha filha é nota mil. Talvez minha relação com meu ex-marido seja um caso de um milhão que deu certo.  Mas o respeito deve partir de ambos os lados,  para que os filhos não sejam prejudicado por mágoas de um casamento falido.

  13. Mony says:

    O meu ex marido é presente na voda do filho. Contudo ele voltou a casar-se e a atual esposa está tentando interferir no relacionamento dos dois. Ela quer um outro filho para desviar a atenção do nosso… Lamentável!

  14. Maria says:

    Concordo, sou madrasta e por muitas e muitas vezes tive que lembrar meu marido de ligar e saber como o primeiro filho estava, marcar para ir busca-lo. Lamento a mãe nunca ter permitido que ele dormisse em casa, para ele conhecer a irmã mais nova que tem orgulho de dizer que tem um irmão mais velho. Penso no futuro e sinceramente tenho medo, um dia recebemos todo amor ou desamor de volta.

  15. Julia says:

    É muito fácil generalizar. Nem todos os homens são iguais, e defendo-os tendo em vista meu marido. Sou a 1 esposa mas ele tem dois filhos de dois relacionamentos diferentes. Amo a filha mais nova dele e isso é reciproco. Ele a ama e se preocupa com ela tanto quanto a mãe, que também não nos dá dor de cabeça. A mais velha vem ao caso que se fala aqui. O pai não esqueceu dela, ela que esqueceu do pai. E é ela quem o vê apenas como uma ajuda de custo no inicio do mês. A mãe dessa, concorda conosco de que a filha é muito desleixada quanto ao pai. Sempre foi, Mesmo antes do nosso casamento. Agora, depois que casamos, ela passa querer atenção a toda a hora e julga até que eu não sou boa pra ele. Mas isso não vem ao caso.
    Antes de falar algo desse tipo que, querendo ou não, afeta as pessoas de um modo negativo, pense! Não generalize tanto. Você em momento algum usou “alguns homens”, “Algumas mulheres” ou “em alguns casos”. Você com certeza deve estar no lugar da EX pra falar essas coisas. Graças a Deus me dou bem com as duas ex do meu marido e a trancos e barrancos com as duas meninas também!

  16. Patricia says:

    Há casos e casos.
    Qdo é um homem de verdade que ama a família (filhos), isso normalmente acontece qdo a mãe (ex companheira) criou inúmeros empecilhos para o pai ter contato com o filho do primeiro casamento, ocorrendo até Alienação Parental.
    Qdo a ex companheira faz de tudo p/ atacar o pai, e o bode expiatório é o filho, então o pai segue sua vida, normalmente constitui uma nova família.
    E aqui qro deixar claro que isso pode acontecer com pai e com mãe também, o problema da sociedade é ficar taxando homem e mulher, qdo a sociedade começar a enxergar sendo todos nós seres humanos, talvez acade isso de disputa de homem e mulher.
    Tenham um ótimo feriado, e vamos viver mais em paz, mais leves!

  17. rebecca says:

    Uma porcaria de matéria! Porque essa q se do psicanalista, endeusa as mães e demoniza os ais genericamente!!!!
    É aquela “mãe maravilhosa” que mareja os olhos ao falar dos filhos, mas nega ao pai um convívio adequado! Nega ao pai contato com os filhos além de fds alternados! Não avisa o pai sobre atividades escolares ou extracurriculares.
    Que proíbe q as crianças cumprimentem o pai no shopping se não for dia de visita!
    Que impede até q o pai veja a criança no dia do aniversário dela por não ser dia determinado pelo juiz!!!
    Tem MUITOS pais, que depois de serem humilhados por anos acabam por desistir, pois a própria criança sofre com a guerra. É nessa guerra, em geral só perde a criança é o pai!! A mãe quase sempre é “vencedora”, pois a justiça colabora com essa alienação!!
    Resumindo… Uma merda de matéria!!!! Extremamente feminista, unilateral e tendenciosa!!! Triste ser de uma psicanalista !

    • Joseph says:

      Obrigado Rebecca! Acho que era isso mesmo que eu estava à espera de poder ler… É que eu sinto exatamente a mesma coisa ao ler o texto! Cumprimentos

      • Joseph says:

        Eu sou um desses casos, estou quase a desistir, por ter a plena consciência de que as discussões são prejudiciais ao meu filho. É um dilema. Ainda para mais, sei de antecedência que a mãe vai envenená-lo contra mim. Vai educá-lo com valores completamente opostos aos meus. Vai gritar com ele, vai ofender gratuitamente, vai até… bater-lhe. Ela já não me pode ver à frente e faz questão de verbalizar que lhe meto nojo e que estaria bem era morto. Ele tem 6 meses, ela quer-me fora da casa dela, e terei poucos meios de subsistência. Sou de outro país e tenho hipótese de viajar para o meu país, mas sem o meu filho. Estou no limiar desta pergunta a mim mesmo ,e sinto-me miserável por isso: “como desistir de um filho”?

    • Nathalia Paccola Nathalia Paccola says:

      Rebecca veja: o texto não foi escrito por uma psicanalista. Sobre as demais palavras grosseiras, não vou comentar pois bem se vê que não leu o artigo com atenção.

  18. Tami says:

    Eu passo pelo oposto. Eu incentivo meu marido a ver os filhos, mas a mãe das crianças é sempre arredia e mal educada, fazendo com que o pai se distancie dos filhos. Ou seja, ela quer que eles sejam filhos do dinheiro, e na concepção dela “se ele não fica comigo, não ficará com ninguém, muito menos com os filhos”. Poderia haver uma relação de amor entre a família antiga e a nova, afinal de contas serei mãe e esse contato entre irmãos é importante, mas a ignorância e desrespeito alheio impede que situações simples acabem se tornando insustentáveis.

  19. Nunez says:

    Sexista, generalista e ofensivo.
    Esse texto pra começar ja erra pressupondo as ex mulheres cono santas abandonadas com a prole, e muitas vezes mães dificultam muito o bem estar do contato paterno.
    Parece uma grande indireta postada em blog cheio de recalque e mágoa por alguem que fez isso com a autora ou se for autor, alguem que ele conhece.

    É tão ofensivo quanto dizer que as mulheres de hoje não servem pra ser mães e esposas.
    Mesmo que possa ser uma verdade em alguns casos tentar generalizar é papel de gente muito ignorante.
    Quem escreveu ofende todos os bons pais vitimiza e santifica a mãe enquanto escrotiza o pai.
    Quem escreveu isso é muito babaca.

  20. Nathalia Paccola Nathalia Paccola says:

    Notem: esse texto não é de minha autoria e sim de Fabrício Carpinejar (como exposto). Sua função é trazer debates e reflexões.
    Percebam: Existe uma frase atribuída a Sigmund Freud, que traz os seguintes dizeres: “Quando Pedro me fala de Paulo, sei mais de Pedro do que de Paulo”. Se a sentença foi realmente proferida por Freud, não se sabe. Entretanto, o significado da mensagem faz sentido.

  21. martim rheinheimer says:

    eu tenho 25 anos, tinha 9 quando meus se divorciaram…eu não queria um irmão, achava que aconteceria isso que está descrito no texto…
    mas eu amo este “novo bebê” também descrito neste texto…
    de repente a autora tenha passado por uma experiência parecida, mas seria interessante escrever também sobre àqueles pais iguais ao meu, que sempre esteve presente, sempre me ajudou quando precisei, sempre foi meu melhor amigo…
    foi também um pai para o enteado que ele “ganhou” ao se casar novamente…
    posso afirmar que tenho 4 irmãos hoje! um de sangue e três de criação (minha mãe também teve um novo marido que tinha 2 filhos).

    a internet é um lugar onde se expressa tudo aquilo que quer, é fácil apontar apenas para as falhas e ignorar os acertos!

    se um dia eu for pai, e Deus irá me dar esta benção, eu cuidarei meus filhos para sempre ou pelo menos até que eles me peçam para deixa-los em paz!

  22. João Carlos says:

    É inegável e triste que isso aconteça em muitos casos, mas não se pode generalizar.
    Dizer que “pai não faz tal coisa” e que “mãe é diferente” é subjugar todos os pais e todas as mães.
    Impossível discordar do texto com tantos exemplos vivos, mas peço atenção ao trecho que comenta que o cara casa e parece amar mais a nova esposa do que o filho. O pai tenta de todas as maneiras agradar uma nova ou possível mãe (sua atual esposa). Então, a possível ou nova mãe também deve assumir sua parcela de culpa. Claro que as pessoas se permitem “dominar”, mas não podemos generalizar. Os defeitos pertencem ao ser humanos e não ao homem. A maioria das mães são tudo de bom, anjos na terra e os pais idem.

    • Mara Duarte says:

      Concordo com vc João, neste caso vejo uma grande parcela de culpa na mulher, muitas vezes, são elas a incentivar o marido a se distanciar do filho e ele por querer agradar acata. Não tiro dele a responsabilidade, mas um homem apaixonado fica cego e uma mulher que se aproveita desta cegueira não tem coração, ambos mais tarde responderão por isso.

  23. Marcelo says:

    Me desculpem, mas não sei quem “inventou” que Carpinejar é um exemplo de ser humano. Desde que conheci seus textos, percebe-o como o típico ser humano que precisa “rebaixar” seus pares para se exaltar. Sempre este generaliza os homens como sendo da idade das cavernas, auto exaltando-se com o um exemplo de homem sensível e preocupado com as mulheres. Este é apenas mais um texto, na minha opnião, completamente desnecessário. Nos dias de hoje, não há distinção de gêneros neste sentido. Existem pessoas de mau caráter, do sexo feminino e masculino, sem distinções. Existem mulheres que se pudessem teriam abortado para não ter que cuidar de um filho, assim como “pais” que teriam feito o mesmo. Mas também existem as mães e os pais exemplares, independente de serem casados ou separados. Isto é único de cada ser humano, todos estamos aqui para evoluirmos e aprendermos, seja em nossos acertos ou erros. Essa mania de criar “artigo” em busca de fama e curtidas, acaba por generalizar o que não dá para ser generalizado. Cada um sabe de si, cada um está em seu próprio estágio de evolução, com suas qualidades e defeitos, cabe a nós buscarmos aperfeiçoarmos as nossas próprias vidas. Se o outro não dá a mínima, façamos o melhor de nós mesmos. É aquela história, quer julgar o outro? Calce os seus sapatos e percorra os mesmos caminhos.

    Novamente, esta é minha opnião, não estou julgando ninguém, e mesmo que eu não tenha gostado dos textos do Carpinejar, talvez este seja uma pessoa muito melhor do que eu mesmo consigo ser hoje.

    Abraços e uma vida maravilhosa a todos ! 😀

  24. Mara Duarte says:

    Na verdade, são casos e casos. muito me entristece ver mães de um segundo casamento negarem o contato do pai com seus filhos anteriores por ter formado com este uma união com novos filhos. Conheço não um, mas alguns casos em que as mulheres proibiram este contato. Neste caso, embora não concordando com o pai que aceita esta situação, que tipo de mulher é esta que ama incondicionalmente seu filho e mata o outro? Mil vezes pior, acredito até que não saiba o que é amor, amor verdadeiro. Vejo nesta situação, homens fracos e extremamente influenciados por mulheres que não sabem respeitar a vida, elas não estão preocupadas em dividir o amor do marido com o filho anterior e sim a renda familiar….tudo gira em torno do dinheiro, pena alguns homens serem tão fracos para não perceberem o quanto são manipulados, eles acham que é por ciúmes, quando na verdade o que importa para elas é o valor gasto em pensão.

  25. Karlla says:

    Sou separada a quase 2 anos, tenho duas filhas, uma de 3 e outra de 2. Meu ex marido se juntou a outra que está a espera de outra menina. Elas vão a casa do pai em fds alternados, a mais velha chora muito pra não ir, sento, converso, dizendo que ela vai, mas volta, mas chega a dá pena, a mais nova nem liga, porém a mais velha assim que me separei era do msm jeito q a mais nova. Em relação a atual do meu ex aparentemente trata elas bem, não sei quando a filha nascer como vai ser, nem se o pai vai diferenciar uma e outra, espero que não, mas se acontecer, Deus proverá. Sou filha de pais separados, meu pai não foi o “melhor pai”, mas também mora longe, porém nos ligava sempre. Pretendo me casar novamente no momento certo, e escolher pausadamente uma boa pessoa para minhas filhas tbm, não uma pessoa q ocupe o lugar de pai, mas que faça o papel de um.

  26. Meire says:

    Olha…sou casada pela segunda vez e meu atual marido tb…tenho 3 filhos d meu primeiro casamento e ele tem um casal de mulheres diferentes, sendo que a menina é fruto do seu casamento de 9 anos…pois bem, eu como madrasta sempre o incentivei a se aproximar dos meninos…aliás quando estão aqui em casa sou eu mesma que cuido, como aos meus!! Meu marido sofre sim pelas ausência dos filhos, mas, grande parte das responsáveis são as ex…sim…tds as vezes que ele ligava ou queriam dinheiro ou imputar-lhe culpa, pq nenhuma delas aceitou o fim da relação…fora que nenhum m respeita, pelo contrário, chingam…usam palavras d baixo nível…não aceitam q ele tenha refeito a vida e nossa felicidade! Hoje estou grávida d 6 meses d um menino, mosso primeiro em comum…não é fácil…vida da madrasta é muito complicado…por mais q a gente pratique o amor pelos filhos dele vc nunca será reconhecida…sempre vão te taxar ou te pré-julgar mesmo vc munca tempo feito nada de mau…e então, muitas vezes a saída acaba srndo o distanciamento!! Meu ex marido dr afastou total dos nossos filhos (3) pq sempre ligou as crianças a mim…e tb nunca aceitou o fim…tem 4 anos q ñ dá notícias e nem um centavo. A vida segue! Importante ressaltar q antes de julgar qq situação o melhor a se fazer é se colocar no lugar…julgar é fácil!

    • Mari says:

      Meire, também sou “boa”drasta (hahaha!) e faço exatamente o mesmo papel que você! Generalizar é muito fácil. No meu caso, foi meu marido quem teve que entrar com ação para regulamentação de visitas pq a mãe do filho dele não permitia que ele o visse, só pq ele estava em outro relacionamento. Acompanhei de perto todas as vezes que meu marido foi dormir chorando pq não podia ver o filho. E o trauma foi igual pro meu enteado, que chorava todas as vezes que tinha que se separar do pai. Concordo que existem os pais desinteressados, mas também existem as mães que colocam o sentimento pelo ex acima do que é realmente importante para o filho.

  27. filipe antónio correia da fonseca says:

    boa noite.lendo um comentário do meu filho mais velho fruto do meu primeiro casamento fiquei curioso e vim ler alguns dos seu comentários.aceito alguns estratos das suas conversas mas permita me descordar de uma ou outra.eu não esqueci o meu filho ele me esqueceu.eu continuo a ir buscar o irmão tambem fruto do primeiro casamento ,ele (o Ricardo )nem ser quer encontrar presente.eu não estou a falhar.ele sim.
    que não me quer nem cumprimentar.

    • anna says:

      Ola, lendo seu comentário me fez relembrar de algo bem parecido que vivi um tempo atrás, meus pais são separados e tive sim essa dificuldade de reaproximacao com o meu pai, pq na verdade um filho não entende a separação dos pais, entende a separação de um homem de sua familia, então não diga que seu filho falhou com voce, continue e persista com ele, não apenas diga que não é culpa sua, só quem sabe é quem vive

  28. Alaine says:

    Preciso encontrar um PAI desses. Meu ex foi um príncipe e quis mais que tudo ter nosso filho, ele veio e ainda grávida simplesmente desapareceu. Hoje sou muito feliz com meu filho e penso que Deus me livrou de um psicopata.

  29. shirlei says:

    Eu como mae separada,me identifiquei muito com o texto ,principalmente na parte onde ao pagar pensao o pai acha que esta ajudando a ex.Imploro que procure meu filho,que ligue e que o interesse nao seja por simples protocolo,mas assim como existem maes maquiavelicas,existem sim!,este tipo de pais,que fazem do contracheque o motivo para nao querer dar mais do que só é obrigado a dar.

  30. anna says:

    É incrível como algo tão sagrado como os filhos se tornaram tão descartáveis pra alguns tipos de “pais” sabias palavras, hoje em dia esses homens não se importam com filhos, na verdade se adapta a quantia de filhos que cada mulher que ele encontrar tiver, e assim torna os filhos mesmo, em pesos em pensões que não veem a hora de acabar! E o pior ainda é querer colocar a culpa dos seus erros nos filhos com frases do tipo “vocês não me procuram” “vocês não se importam comigo” sem nem comentários … Texto fantástico!

  31. Thelma says:

    Parabéns ao autor do texto. Quando li vi a minha situação de filha do primeiro casamento do meu pai. Muitas pessoas não entendem a situação porque pensam na sua própria vida cujo pai era maravilhoso e criticam os filhos que reclamam e os chamam de ingratos mesmo. Posso resumir por minha experiência que essa situação só reflete falta de amor. Se o pai soubesse o que é o verdadeiro amor, nunca faria isso com o filho do primeiro casamento. E um pai com baixa referência de amor acaba se aproximando e casando com outra pessoa igual, que também não sabe o que é amor portanto colabora para a rejeição do primeiro filho. Cria-se assim um círculo de mágoas, infelicidade, tristeza profunda para todos os envolvidos. Quem sobrevive a essa ausência de amor pode escolher dois caminhos, o da autodestruição ou o da evolução espiritual, pessoal e do perdão. Eu aconselho o segundo caminho, afinal independente do amor que recebemos na vida temos a obrigação de nos amar e estarmos bem para quem nos ama. A maior vitória é ter uma vida bem vivida, feliz.

  32. Tomio says:

    No meu caso é justamente ao contrario!a mae do meu filho é que ” largou” p poder viver sua nova vida. Tive uma separacao amigavel onde ate dois anos atras trabalhavamos juntos.Isso foi uma opcao minha ate meu filho ir p facul. Ocorreram muitos impasses principalmente com o padrasto com meu filho a ponto de eu desfazer “parceria” . Hj trabalho em outro local. E a mae nao conversa com filho e vive de “mandar”mesada p ele, e vive de “recadinhos” !isso me incomoda, mas pra ele pouco se importa pois importante é a grana. E nisso fico de intermediario o que causa um enorme desconforto pois p mim a minha mae e muito importante e nesse caso p meu filho é …. Seu PAI!…. Ele esta morando comigo…

  33. Patricia says:

    É muito triste ver uma criança implorando pelo amor do pai. Eu como mãe nunca o joguei contra o pai, é sempre na tentativa de uni-los mais. O pai se casou novamente com uma mulher que não tem as mínimas condições psicológicas de cuidar de uma família, tenho do das filhas dela. A casa deles parece um antro de gente desocupada que só pensa em beber!! Quando chega o final de semana com o filho, ele leva o filho pra sua casa e ele fica lá vendo o pai se embriagar com os amigos. Quantas vezes me liga para ir buscá-lo, quantas vezes o consolei de tanta decepção que sente do seu pai. Esse pai enfeitiçado pela atual que o ameca, acaba deixando seu primeiro filho pra trás. E não tem noção da destruição que está cauando na vida dele. Quem cuida da criança percebe a ansiedade, insônia, xixi na cama… Etc. E o pai lá curtindo cada final de semana com seus amigos e sua atual colocando fotos no facebook para mostrar que ele se importa somente com a filha atual, não o meu filho. Lá na frente vamos ver as consequências dos atos impensados!

  34. Renata Fernandes da Silva says:

    Eu sou casada pela segunda vez, tive uma filha no primeiro casamento e tenho um filho com meu atual marido que tem mais três filhos…posso dizer que não é fácil nem como mãe e nem como madrasta. Minha filha sofreu muito no inicio assim como eu sofria ouvindo minha filha pedir para morar todos juntos novamente, cheguei a me arrepender da separação mesmo estando casada com outro homen; por causa da minha filha…sempre estimulei o contato de pai e filhao por que o pai é um super pai e a madrasta é boa até o momento para minha filha, sei por que ela sempre faz questão de ir visita los e volta feliz ( e só por isso estímulo pois se fosse o contrário com certeza não me sentiria segura para isto)…quanto ao meus entiados é um pouco mais complicado pois meu marido nunca foi tão próximo, sempre morou em outro estado e sempre se preocupou em trabalhar muito para pagar pensão esquecendo se de que o amor se demonstra de outra maneira e não com dinheiro, bens materiais. Sei que ele os ama muito e que seus filhos também o ama, mas sinto que a falta do contato físico, carinho fez com que eles achassem que o pai é muito bom enquanto a pensão está em dia, acham que o pai é rico ( e boa parte disto por que foram estimulados a querer sempre mais do pai) , sei que eles se uniram mais depois que nos casamos mais telefonemas e visitas, sei que ajudei a proporcionar isto, me sinto feliz por isso, gostaria de ser mais próxima do que sou mas não é fácil você entrar em um relacionamento onde tem criança grandes e adolescentes com educação e costumes tão diferentes do seu.

  35. Existe esta figura, não nego, mas não é a regra e tem diminuido. Pelo grupo que ajudo a cuidar no Facebook, não somos poucos. Queremos mais e queremos participar na vida de nossos filhos. Porém, encontramos mães irredutíveis em dar acesso e espaço a pais carinhosos e presentes. Querem a posse sobre pessoas livres. Querem o poder sobre crianças inocentes. Não são todas também. 87% das guardas são unilaterais, ou por falha da mãe, ou do pai ou de ambos. Isto precisa mudar, pelo bem de nossas crianças.

  36. Márcia says:

    Sou divorciada e casei novamente, meu marido tem um filho que hj tem 19 anose eu tenho 3 filhos. Mas o que dizer qdo este filho que desde pequeno sofre influência de uma mãe que acha que o mundo é errado e o filho é o certo, nunca este menino de 19 anos ligou para o pai para perguntar se este estava bem ou para dizer estou com saudades mas sim para dizer ” EU QUERO” vc tem que me dar….quero um celular quero um computador. Este pai sempre preocupado com o filho, com saudades mas o filho não, cansei de ver este homem (pai chorando) e o filho nada…. Hj ele processou o pai, este desempregado e com problemas de saúde, fazendo tratamento, posso dizer que meus filhos tratam muito melhor o padrasto do seu próprio filho que já chamou até de fracassado. O texto é muito lindo mas a realidade é outra. É muito fácil para um filho só dizer pai eu te amo em troca de dinheiro como acontece com meu marido. Filho irresponsável, que vive as custas de outras pessoas pq com 19 anos não quer trabalhar, só faz festa e ainda diz ao pai…vc me colocou no mundo então me sustente…É triste ver um filho assim, este que eu queria colocar dentro da minha própria casa, mas que infelizmente só briga com todos, ninguém presta, e pior esta mão que ensinou… como ele a chama pãe.
    Agora eu pergunto dá para um pai viver ao lado de um filho que qdo era pequeno a própria mãe não deixou ele ajudar na criação? O que deu afinal, um filho ruim que não pensa em ninguém mas sim só em se aproveitar de tudo, viver as custas dos outros…Isso está certo?

  37. oswaldo rispoli says:

    Impressionante como qualquer … se acha dono da verdade, pque escrever algo que não acrescenta em nada, tanto é que alguma pessoa de má indole enviou o link ao meu filho, que me reencaminhou. Não acho justo um frustado se travesti de cientista e teclar o que quiser, tem casos e casos, me separei e mudei para 1000km de distância, vim refazer minha vida 5 ou 6 anos após algumas aventuras infeliz, dificuldades financeiras, de saúde e ações de alimento… sendo que deixei tudo para minha familia. Hoje tenho a relação boa com meu filho que mora e trabalha na mesma cidade que eu, mas minhas tentativas de convivio se frustaram pois não tolera minha atual esposa, ainda o nosso unico ponto convergente era a casa da avó paterna que também é sua inimiga, depois que o aconselhou a viver em paz etc…. troco email regularmente com ele e o vejo sempre que é possivel a despeito do menino (19 anos) nunca ter me fornecido o novo endereço. Lamentavelmente vejo que o unico interesse é pecuniário pois nunca aceitou conselho meu com relação a vida profissional e nem convites para ir ao meu encontro onde o levaria de volta para a casa… Portanto não posso ter respeito nem um a esse texto que demoniza o pai e exalta a mãe que pode agir por amor etc, mas de modo geral os filhos viram joguetes em suas mãos.

          • Mulher do segunda casamento says:

            Engraçado … realmente o filho do 1º casamento sofre … sofre mais ainda quando a própria mãe é desequilibrada e tem como foco somente usar o filho de instrumento para uma possível reconciliação. Quando a própria mãe pisa no seu próprio filho com o orgulho ferido, dai sim é difícil. No meu caso, a separação do meu marido aconteceu quando o filho nasceu, 1 ano depois conheci meu marido. Quando conheci meu marido ele ja lutava na justiça para poder ter o direito de ver o filho. Ah detalhe, o filho é uma benção, mas foi decisão dela sozinha (indesejável e sem planejamento). Há casos que a mãe engole o próprio orgulho ferido e deseja que a nova esposa seja tao boa quanto ela, e que se ela tem sua consciência tranquila de ser boa mãe, nunca será trocada pelo próprio filho. Agora depois de anos lutando na justiça para ver o filho, quando a sentença sai, a pessoa tem a cara de pau de dizer que não pegou porque não quis ? Que não participou porque não quis ? Quando a mãe dificulta e não respeita o valor do pai, ele se afasta mesmo, isso acontece com qualquer coisa na vida. A verdade é uma só, existem varios tipos de pais e mães e segundas mães … basta vc analisar se vc respeita o espaço de cada um deles. Se a convivência não é boa, é porque alguém esta dificultando alguma coisa com interesse em outra coisa maior …. e quando o seu filho crescer, ele vai saber ver, interpretar e analisar tudo que passou … ele não sera criança para sempre … o lado errado vai aparecer na cabeça dele e quem errou … sera punido pelos seus erros e egoísmos.

      • Bianca says:

        Seu comentario nao faz sentido. Eu nao me enquadro no texto (nao sou filha de pais separados, e nao filhos em outro casamento e.t.c. ) e no entanto o texto me trouxe desconforto tambem pois nao aborda o lado de maes que influenciam os filhos. O texte parece ter sido escrito por uma pessoa generalizando o que provavelmente ocorreu com ela.

        • Nathalia Paccola Nathalia Paccola says:

          Oi Bianca, agora entendi sua posição. De fato existem essas mães, egoístas ao ponto de causarem esse tipo de dano emocional ao filho, principalmente. Acredito que esses pais deveriam recorrer à Justiça para clamarem o direito ao poder familiar, há muito que pode ser feito, inclusive essa mãe pode perder a guarda do filho. O que vejo é muitos pais dizendo que desistiram para não causarem maiores danos à criança, como se com essa desistência outro dano não fosse instalado.

          • Haroldo says:

            Oi, Nathalia. Seu comentário faz tudo parecer tão simples!… Quem dera fosse assim!… Não precisamos citar os casos extremos, mas os que ocorrem em sua maioria após qualquer separação. Dependendo da idade da criança, o pai vai demorar anos para realmente participar do dia-a-dia, enquanto a mãe passa sistematicamente a fazer a cabeça dos filhos. Por diversas vezes questionei alguns juízes das varas de família, pois julgo que a pressão psicológica é muito mais devastadora que qualquer castigo físico – e garanto que as mães são muito boas em fazer chantagens e jogos emocionais. Caso o pai se mude para outra cidade ou estado, os processos judiciais se tornam caríssimos por causa das viagens e se arrastam por anos até realmente ter resultados concretos. Por melhor que seja a boa vontade, o convívio é muito complicado tendo em vista as distâncias e logística de viagens. Mesmo após a criança entrar na adolescência e finalmente poder optar pelo convívio com o pai, as marcas emocionais já estão profundamente marcadas. A conquista de um filho que passou por esta situação é um processo muito triste e desgastante, pois existem traumas profundos no filho – e no pai. A sensação de nunca recuperar o que deixou de ser convivido é frustrante. Por todos estes motivos, há muito tempo deixei de julgar as decisões de alguns pais, pois cada um sabe os limites pessoais que pode enfrentar – independente do julgamento daqueles que estão analisando a situação de fora.

  38. Frank Carvalho Freitas says:

    Triste é mulher ficar afirmando isso como se fosse fácil para o pai como é pra mãe.
    Eu acho ridículo algumas mães que ficam se fazendo de santas, principalmente depois que o pai arranja outra companheira.

    Eu to tentando conviver com minha filha há um ano, sofrendo com isso.
    Meu sonho é esquecer que tenho uma filha, porque a mãe não ajuda, a justiça também não e essa sociedade hipócrita, principalmente mães, também não porque repudiam o fato de eu ter uma nova família.

  39. Bárbara says:

    Obrigada por escreverem e divulgarem esse texto. Eu sou uma filha do primeiro casamento e, comigo, não ficou nem linha do contracheque. Amo a minha irmã, amo o meu irmão, mas acabei tendo dois pais que não foram o meu: a minha mãe e um namorado que ela teve, com quem estabeleci laços tão fraternos que, quando ele foi morar em outro estado, a conta do interurbano não foi um empecilho para nos falarmos. É uma pena, mas essa atitude mostra que, além de irresponsável, esses homens são fracos. Não consigo sentir nada além de pena pela vida de uma filha fantástica que ele perdeu. Depois de muito choro e um pai adotivo melhor do que eu poderia imaginar, o rombo do aborto cometido pelo pai que me gerou foi tampado, mas a cicatriz fica!

  40. Bárbara says:

    Ah! Aos papais e mulheres do segundo casamento (que título terrível, precisamos chamar todas as mulheres de mulheres) que se apóiam na loucura da mãe da criança: apenas parem. Se vocês fizerem a parte de vocês com decência e paciência, não há mãe louca que interfira. Muletas não fazem parte de um jogo limpo. A pior desculpa que eu já ouvi de um pai (que não foi o caso da minha casa) é que ele se afastou dos filhos por causa da mãe… Mas ninguém lembrou que a mãe, louca ou não, ficou com a bomba que é criar uma criança pequena sem suporte do ex. E quanto ao papel da mulher do segundo casamento, bem… Ela é apenas a mulher do segundo casamento e deveria estar preocupada em cuidar da própria vida, e não dos filhos do marido ou da mãe das crianças. É revoltante ouvir que tantas pessoas lidam com um assunto tão pesado com muletas tão frágeis.

    • Camila says:

      Exatamente isso, Bárbara. Meu pai abortou a mim e aos meus irmãos quando se casou novamente e teve outro filho. Passou a nos tratar só como uma fonte de problemas. Chegou a dizer à minha mãe que não me convidava pra ir à casa dele porque a dona da casa não se dava bem comigo (quando eu tinha 15 anos). Em um Natal, me mandou um SMS desejando boas festas. Nos outros, nem isso. Convidei pra minha colação de grau, não foi, nem explicou que não ia, e eu fiquei esperando. Depois disse que queria o dinheiro que tinha me dado pra pagar a cerimônia de volta. No mesmo mês em que me formei na faculdade, cortou minha pensão. Cortou meu plano de saúde. Eu nem tinha tido tempo de procurar um emprego melhor ainda (porque já fazia bicos de garçonete e transcrição)… Nem tinha pego o meu diploma. Alguém pode pensar que as finanças dele não iam bem, mas iam. Iam tanto que nesse mesmo período comprava imóveis e carro zero.
      É fácil falar que a mãe dos filhos é louca, que é exagerada, é “fraca”, como ele mesmo me disse uma vez. Me disse que eu era fraca, assim como minha mãe. O que não é fácil é calçar os sapatos dela e criar três filhos sozinha, além de assistir de camarote o que essa pessoa fez com os filhos dela.
      Aí, quando eu me tornei funcionária pública, agora que não sou nem problema e nem gasto, ele está tentando se aproximar de novo e eu não sei o que fazer, porque toda vez que penso nele, me dá vontade de chorar.
      Falar é muito fácil mesmo.

      • priscila says:

        Sei exatamente o que acontece com vc, só que no meu caso minha mãe faleceu 7 anos após a separação, e adivinha… Meu pai n fez questão alguma de ficar comigo, simplesmente disse aos meus avós maternos que não podia ficar comigo, na época tinha apenas 10 anos de idade, imagina o que é crescer sem a mãe e com um pai que nunca ligou para saber se eu estava bem? Apesar disso depois dos 20 anos tentei aproximação, mandava msg, o visitava quando podia, mas foi tudo em vão… Hj tenho 26 anos e já disse aos meus avós(que sempre me impulsionaram para a aproximação) que o meu pai é meu avô, que sempre esteve comigo nos momentos de felicidade e de tristeza. Dizer que é pai qualquer um diz.

  41. Flávia says:

    Muito triste essa situação. Porém nem toda mãe é assim como descreve o texto.
    A ex do meu marido na separação deixou a filha (11 anos na epoca) com ele (! ). Simplesmente esqueceu que a menina existe. Não teve mais contato, nem por telefone. (Inclusive trocou o chip do celular pra filha não ligar). Não teve filhos no atual casamento, porém cuida (e muito bem) das filhas do atual marido…
    Parece história de novela né, mas infelizmente não é.

  42. Pedro Nolasco says:

    É Fabrício, generalizar é uma coisa complicada, não? O texto é muito pertinente…gostei da expressão “latifúndio emocional”!.. Só falta um outro texto de continuação deste tratando dos casos em que o pai QUER ter contato com os filhos do primeiro casamento, mas a ex-esposa o impede de todas as formas…atualmente existe até uma lei tratando do assunto, se não me engano é sobre “alienação parental”. Lendo seu texto, só tive UMA certeza: vc não é separado de uma ex que o impeça ou dificulte de ver seus próprios filhos…quanto ao resto, levanto sérias dúvidas…Abraço!

  43. Parabens pelo texto, passo toda problematica na minha vida.o meu filho caçula é surdo, e ele casou no outro dia da separação, e hoje nem quarto na csa dele meus filhos tem,nem viajens de ferias com o pai nunca tiveram, nunca foram convidados para um almoço na casa do pai, nunca mais desde os 9 anos da filha e 8 do filho, eles pertenceram áo pai, . o meu filho já está com 34 anos e a filha com 35. o que é surdo vive em quartos alugados, e longe do pai, não tem nenhum tipo de relacionamento com o pai, já foi colocado para fora da casa dele varias vezes,. ele foi pedir ajuda ao pai, pois ainda por cima morre de medo do pai, o pai disse que era para ele trabalhar. o pai é um dos maiores empresarios do ramo calçadista de minha cidade, não ajudou nunca o filho surdo a trabalhar ou ter qualquer relação com ele…….tenho dó do que este pai faz, ficamos casados 12 anos, . hoje paulo está com depressão e marcela já faz uso de medicamentos anti depressivos ha varios anos……tem um monte destes, da mesma laia que o meu ex marido, o que importa são os 3 filhos que ele teve com a mulher que ele vive ha mais de 20 anos……dói muito………………..

  44. nebraska says:

    Partindo do principio da autorresponsabilidade ,cada um é responsável por suas escolhas e decisões. Se é a mulher que influencia o homem pra não ver os filhos ele que seja firme e amoroso pra se posicionar de forma coerente. Ela é desequilibrada insegura. Competir com uma criança ? Me poupe !! Se o filho rejeita o pai por causa da mae ? Serio q tidos acreditavam nisso ? Os filhos eles ficam ate confusos mas não são cegos e nem dormentes emocionalmente . eles vêem a presença ou ausência do pai e sentem ou não o amor dele. Se o pai separado estiver no dia a dia do filho,ele jamais sera rejeitado pelo filho. Tem q pagar o preço de ser pai presente,mas na verdade ate alguns q ainda tem pais juntos tem seus pais ausentes emocionalmentes e depois reclamam .

  45. Haroldo says:

    Pelo título e resumo inicial, fica claro que o texto segue o padrão preconceituoso do “pai ruim, mão boazinha”. Existem muitos pais que se afastam dos filhos por pura impossibilidade prática, provocada por mães que usam os filhos como arma de coação emocional e/ou financeira e são protegidas por um judiciário formado em sua maioria por juízes com visão preconceituosa. Lógico que existem pais que nem se interessam pelos filhos que eventualmente tenham dentro ou fora do casamento, e o mesmo vale para muitas mulheres. Mas é preciso acabar com esta visão simplista de que “o homem não presta” porque não quer amar os filhos.

  46. Esposa atual says:

    Boa noite. Meu marido tem uma filha do primeiro casamento dele…ele esta com 54 e ela com 31, eu tenho 34. Meu marido saiu de 5 casamentos que não deram certo e fiquei sabendo da boca dele que nenhuma delas gostava da filha dele. Num desses casamentos a ex tinha uma menina que o adotou como pai. Era amorosa, escrevia cartinhas carinhosas, amava muito este pai…e ela era o xodo dele ja que a filha biologica sempre foi fria e distante….meu esposo jamais deixou de assisti-la eles tem contato ate hoje….ja a conheci e observei os dois ela é muito fria com ele….Não tem carinho nada…conversam riem mas são muito distantes….essa filha que o adotou era o tipo de filha que todos pais desejam…ela faleceu adolescente infelizmente seria alguem que eu iria gostar muito…meu esposo me disse que suas ex não gostavam da filha biologica por ela ser assim fria…ate o parentes dele falam também…..eu ja presenciei…os avos reclamarem que nem um telefonema ela da….meu esposo anda doente dos rins ela nem liga pra dizer oi pai como o senhor esta? Vejo no cel dele que ele manda bom dia, figuras com mensagens mais as mais das vezes ela sequer responde e não é dizer que não tem condições ela tem sim so que não liga nem pros parentes dela aqui que dira pro pai….sabe isso me revoltou pq daria tudo para que meus pais estivessem vivos para curti-los….no dia do niver dele todos falaram com ele menos ela e ele ficoy esperando o dia todo por uma mensagem e nada….a verdade é que ela não faz questão de estar na vida dele e sinceramente eu não faco questão alguma dela em nossas vidas….as vezes ele fica tentando me aproximar dela como se ela fosse a menina que faleceu…..criaturas muito diversas! Ela é casada e vive em outro estado. Me desculpem desabafar eu não tenho intenção de me meter na relação deles mas no meu casamento na minha vida eu não quero ela presente….eu não vejo ela como parte da minha familia…ela tem la os motivos dela pra ser assim e não me meto….evito conversas envolvendo ela com meu esposo pra evitar aborrecimentos. Eu sei que essa situação entre eles não vai mudar….mais uma coisa os avos me disseram que varias vezes ligavam pra ela e ela nunca atendia. Eu sei que tem muito pai e mãe complicados mais ha filhos ingratos sim e nunca vi tanta ingratidão dessa filha…ela é uma estranha que não aceitarei na minha vida, uma criatura que faz pessoas que gostam dela sofrerem assim pra mim não existe. Apesar de saber que isso acontece em muitas familias….eu acredito que ela ficou mais fria ainda por conta desse carinho que a falecida dedicava a ele….nunca faltou nada pra biologica…como se explica isso??? Nenhuma mulher gostar dela???? Eu trato ela com educação e só.

  47. nilton resende says:

    sinceramente , o texto é bem colocado… pai que abandona filho ou deixa de participar da vida dele porcausa de outras carnes merece ir pro inferno abraçar o capeta… se é que pode chamar uma praga dessas de pai

  48. Henrique says:

    Como foi falado no primeiro comentário, iria chover pai e esposa aqui tentando colocar sua versão… Sou filho do primeiro casamento, tanto meu pai como minha mãe tiveram outro casamento e outros filhos… Amo todos meus irmãos, entretanto, a pessoa que fala que estão refens dos filhos do primeiro casamento não sabem o que falam… Só quem passa pode opinar, pois esses não tiveram escolha dos erros dos pais… Meu pai é como no texto descrito e, para piorar, trabalho com ele… Só quem passa por isso pode opinar, vez que o sentimento de rejeição da pessoa que mais deveria te amar é um dos piores, causa severos transtornos psicológicos… Se os pais resolvem se separar devem pensar em dobro no filho deixado, vez que esse sempre sentirá rejeição…

    • Nathalia Paccola Nathalia Paccola says:

      Oi Henrique, sim é triste. Não há como você procurar um trabalho que você goste? Já fez algum tipo de terapia? Acredito que lhe faria bem. Um abraço carinhoso.

  49. Índia says:

    Namoro um homem que tem 3 filhos, na verdade me assusta a forma como ele trata esta grande responsabilidade. O mais velho de 20 anos, não terminou o segundo grau, tem um emprego que ganha um pouquinho, só quer futebol, e o pai (e a mãe) nem aí, não lhe cobram nada, ele diz que o rapaz já é adulto, nada que ele diga irá influenciar o rapaz (eu com 35 ainda prezo muito as opiniões de meus pais!), o outro tem 14 anos e a menina 10 anos, crianças apáticas, não fazem cursos, esportes (começam e não terminam), não lêem um livro, e ele não se interessa, um dia o menino falou no sábado que ia ter prova na segunda-feira, na terça-feira, perguntei ao meu namorado se ele ligou perguntando como foi a prova, nada, nem lembrava… Me causa impressão tudo isso, e eu não me meto mais, pois dizem que a nova companheira não deve se intrometer na educação daqueles que não são filhos dela, então só observo, essas pobres crianças com um pai frouxo e uma mãe que acha que o problema é a “namorada do pai” (sendo que nos finais de semana que ele fica com as crianças – o mais velho nem aparece – eu não fico com eles, fiquei uma 4 vezes e não vou mais para não invadir o espaço que é deles…).

  50. Rosemari Silva says:

    Incrível como o texto se encaixa na minha vida, muito embora meu ex nem tenha tido filhos com a atual esposa.
    Sofro muito pelo sofrimento do meu filho, mas acredito que ninguém necessite de migalhas de afeto.
    Em datas especiais, como aniversário e natal, nenhum telefonema, nenhum presente, então entra em cena toda a criatividade que uma mãe pode ter, invento passeios, trilhas, viagens, atividades culturais, enfim, tento ocupar ao máximo a cabecinha do meu menino, a fim de amenizar o sofrimento.

  51. Ester says:

    Concordo muito com o texto, no meu caso, nem dinheiro mandava, nunca se preocupou comigo ou com meu irmão…Nunca teve filhos fora do casamento, mas tratou os filhos das esposas (sim pois agora já se contam três) como seus…Hoje que todos esses maravilhosos e perfeitos “filhos e filhas” viraram as costas, agora lembrou que teve filhos. Mas hoje já é tarde, pq ao meu ver ele é um tio distante que de meses em meses vinha nos buscar, claro que depois de esperamos horas e horas, chegava nos levava para passear por meia hora e nos deixava por meses sem nenhuma forma de contato. Sim, conheço pais excelentes, meu padrasto mesmo é um paizão….mas nada apaga do coração de um filho o abandono e a troca, de certa forma vc acaba sempre se sentindo inferior e achando que a culpa é sua do seu pai nunca ter te amado. Porque amor de pai eu já vi…só nunca tive….e sinto informar a todos mas este é o relato de 90% dos filhos de pais divorciados…10% (no máximo) vão dizer que algum dia se sentiram realmente amados e cuidados por essa figura quase folclórica chamada PAI. Meu esposo teve a sorte de ter um pai (que até hoje está com a sua mãe), e ele teve muita dificuldade para entender o pq do fato de mesmo eu chamando meu pai de pai, não o ver como tal e não ter a menor vontade de conviver com ele, a ponto de hoje em dia ele me ligar e eu lembrar de ligar dias depois…É simples foi a forma que ele (pai) me ensinou, então nossa relação é assim. Apesar de eu sentir falta de ter tido um pai, não vejo o meu nem como remota sombra de um pai, tenho amizade com ele mas é impossível sentir amor de filha, pq ele quis assim, afinal quando eu estava aprendendo a amar e cuidar…ele me ensinou que com ele eu nunca poderia contar, que ele não era meu pai … enfim só gostaria de deixar isso aqui…e avisar aos desavisados…para de usar desculpas para não estar com seus filhos, se vc realmente os ama vai estar com eles agora , pq amanhã vai ser tarde demais!

  52. Giovanni says:

    O texto é os comentários são ótimos porém não tenho certeza se são palavras concientes. Também tenho uma filha de relacionamento anterior. Aos 8 meses de vida da minha filha, nos separamos por pressão da família da minha ex mulher e falta de maturidade da mesma em saber que agora tinha sua própria família e também uma grande responsabilidade pela frente. Eu não queria separar. Tentei salvar meu relacionamento de todas as formas até perceber que já havia outras pessoas na vida dela. A mãe pegou minha filha e foi para a casa dos pais e caiu na vida da gandaia e me proibiu de ver minha filha juntamente com os avos maternos que quando a filha engravidou, a primeira solucao que apontaram foi o aborto. So nao aconteceu porque eu nao permiti e nao concordei. Fiquei seis meses aguardando decisao judicial sair com visitacao e pensao alimenticia que eu mesmo tive que dar entrada. Nesse intervalo meu pai falesceu sem ver a neta pela ultima vez. A mae falou que nao era problrma dela meu pai estar doente. Depois de um ano separados dei início a um novo relacionamento com uma ótima pessoa. Agora sou taxado como um homem que não quer viver com a família por estar com outro relacionamento e não aceitar de volta a pessoa que destruiu minha vida como pai. Ela é a sua família fizeram minha filha se esquecer de mim e todas as noites que passei acordado cuidando dela. Uma alienação parental velada, presentes jogados fora, insistência para a criança não querer dormir comigo, se eu dou uma boneca eles dão outra da mesma porém maior. Viajam com a criança no dia dos pais etc. Resumindo… A única coisa que interessa é a pensão todo mês. Então não é simples assim. Algumas pessoas desgastam o pai, educam os filhos para não amalos. Os apegam a coisas materiais. Depois quando o pai constrói outra família, vem com esse papo de que ele esqueceu. Eu nunca vou esquecer minha filha, só que ela é uma criança de 4 anos que ainda não sabe das coisas e eu estou lutando contra 4 pessoas que a chantageam e manipulam dr maneira que não podem ser acusados de alienação parental. Tipo. Pode levar, ela precisa mesmo de vc. Porém quando chego para pega lá, ela não quer, desfaz da minha casa, das coisas que eu dou. Etc. Infelizmente terei que esperar ela adquirir uma personalidade própria para que eu possa mostrar que eu sou e contar com a sorte dela se tornar uma pessoa diferente das pessoas que a rodea.

    • Daniel says:

      Boa, conheço os mais diversos casos de mulher que ao se separar destroem a imagem do pai com os filhos, apenas para se vingar..Egoistas, pensam apenas nelas mesmas e não tem ideia do mal que fazem para a auto estima dos próprios filhos. Ou seja, retardadas competitivas, vingativas, que acabam com o amor dos filhos pelos pais gratuitamente..

    • ESPOSA ATUAL says:

      Pois é Giovanne como o seu caso em termos de pai há sim muitos outros que tentam e cumprem seu papel de pai. Essa filha do meu esposo, hoje adulta morou com a mãe depois do divorcio….vai la saber o que as criaturas com a qual ela vivia plantou na mente dela…fiquei sabendo que a avo materna é uma verdadeira fibora e nunca gostou do meu esposo….gostavam de usar o dinheiro que tinha e muito nos bons tempos dele….nunca faltou nada pra ela e ele a via acontece que a mae resolveu morar no para e ele tinha e tem a vida dele aqui….se veem quando pode ja que ela agora vive em sp…esteve presente sim no nascimento da neta…tenho o conhecimento de com as outras dos casorios anteriores ela ia visitar ele e tal só que a criatura é fria demais….com ele e com todos os parentes dele….o proprio pai falou que ela é interesseira….olha ai a influencia da avó materna….o fato é que certos adultos complicam e fazem a cabeca da criança e depois pra apagar esse mal as vezes é tarde demais…..agora que existe ex filhos existem sim pq apagaram seus pais do coração ….ex filhos e ingratos….eu ja fui a diversos lares de idosos….a maioria jogados la jo ga dos pq os próprios filhos abandonam…..infelizmente esta presente na maioria das familias…fazer o que ser humano

  53. tatiane dos santos says:

    Adorei os comentarios .
    Nomeu caso , fui casad por 14 anos tem 05 que separamos e dois filhos 17 anos e 15 anos tratados com ex filhos .
    Me sinto super mal , errada (eu) que não soube escolher um pai decente , honesto e presente p/ os meus filhos …

    Ate hj eles sofrem com tudo isso e pior nao ajuda em nada , hj ele é casado n tem mais filhos apenas um enteado que ele cuida , mas os dele simplesmente nao quer saber .
    E a fase de adolescente , é complicado mas tenho fé que vou conseguir encaminhar eles p/ o lado bom da vida …

    Nunca desejei mal a ninguem , mas espero em Deus justiça , pois sofro muito pelo que ele faz com os nossos filhos …

    • Rafaella says:

      Eu lhe entendo eu não sou mãe mas sou filha e sei bem o que é isso o meu pai não me paga a minha pensão a 11 anos isso é muito ruim. Como eu digo a justiça é só para que não deve te-la.

  54. Daniel says:

    Que generalização bizarra… Isso aí foi seu caso, o caso de um conhecido ou vc fez estudo cientifico sobre pais com segunda família? Por que pra mim isso aí é uma exceção bizarra e ridícula de um pai que no fundo sempre foi ausente, desde antes da segunda esposa. Pai, paisao, como eu, dou minha vida 20 vezes por qualquer dos meus filhos e em qualquer momento, com qualquerr mulher…

  55. luana says:

    Realmente há pais assim,so que há tambem muitas “mulherzinhas” que se dizem mãe e que não dão valor ao homem com o qual era casado e agora só pq esta com outra pessoa e a ex nao aceita e fica usando o filho pra infernizar a vida do cara,ao inves de colaborar para que o pai tenha mais proximidade com o filho.
    Estou dizendo isso por experiencia propria,pois me casei com uma pessoa que ja tem filho e é um excelente pai,um exemoplo mesmo,do tipo de pai que faz ate dividas pra dar tudo que o filho precisa e ate o que nao precisa,e desde que nos conhecemos (e ate antes de nos conhecer<ainda quando moravam juntos) ela inferniza a vida dele com os chiliques que mulherzinha golpista que usa o filho pra arracar dinheiro do ex de todas as formas possiveis e nao gosta de trabahar pra ajudar ele a dar tudo do bom e do melhor pra o filho, e ela quando esta com raiva nao quer deixar ele buscar a criança ou seja ao inves de deixar o pai ter mais aproximidade com o filho ela faz de tudo pra atrapalhar,mas na hora de pedir dinheiro pra ela e usando o menino como desculpa pra o gasto ela é otima.
    Entao,infelizmente a maioria desses pais que após a separaçao e depois de construir outro familia se afastarem dos filho do relacionamento anterio nao é so culpa deles nao,pois a maioria das maes desses filhos "esquecidos" tem culpa por investir em inferniizar a vida do cara ao inves de investir pra aproximar.
    È facil vir com um texto super filosofico julgando esse pais sendo q voce nao esta dentro da casa de ninguem pra saber o q realmente acontece.

  56. Laisla says:

    Acredito que cada caso é um caso. É o tipo do assunto que não se pode generalizar, pois há mães (do primeiro casamento) que separam os filhos dos pais, por entenderem que eles são péssimos exemplos de vida para o filho. Mas isso, não justifica o pai, abandonar o filho. Afinal a mãe só quer proteger o filho. Mas o pai, que é pai de verdade e deseja estar com esse filho, deve procurar pela mãe e tentar provar que é uma pessoa melhor. Se não faz isso, e abandona o filho é porque realmente não é digno de ser pai.

  57. Eduardo José Pereira da Silva says:

    Me parece um texto carregado de ressentimento contra homens, não contra pais.

    Não se pode esquecer que esta é uma situação resultante da nossa sociedade feminista. Isso mesmo, feminista ao extremo. Pois quando uma casamento não dá certo e a separação ocorre, o pai é sim separado do filho e obrigado a recomeçar.

    Enquanto a mãe geralmente tem a guarda e o direito de conviver e participar do crescimento do filho, o pai é reduzido a um mero pagador de pensão, que não tem direito nem de interferir nos rumos que a vida do filho toma. Não tem direito de escolher ou ajudar a escolher a escola, não pode estudar junto, não pode acompanhar de perto as dificuldades do filho, pois apenas está com ele por dois dias a cada 15.

    Para que o pai possa realmente ser parte da vida do filho após a separação é necessário que este conviva com o filho por um tempo considerável, ou seja, o mais justo e melhor para a criança seria uma guarda alternada 15 x 15. E em vez de pensão, os pais deveriam dividir e pagar as despesas da criança. Um paga a escola enquanto outro paga o plano de saúde, inglês e etc. Dessa maneira, mesmo depois de uma separação, o pai seria responsável por algum aspecto da vida do filho e não apenas uma fonte de dinheiro.

    Mas, convenhamos, nenhuma mãe separada abriria mão de receber dinheiro do pai, mesmo que isso seja melhor para o filho. Muito menos de dividir igualmente o tempo de convivência ou o pátrio poder. Isso nunca. Isso é “direito exclusivo da mãe”. E é esse pensamento que resulta no distanciamento de pai e filho, que muitos pais tentam evitar mas por vezes não conseguem.

  58. Mauricio says:

    O feminismo é irritante.
    Como vocês falam tão mau da figura paterna a todo momento e depois querem cobrar que algum homem queira ser pai? Qual é o incentivo?
    Vcs são muito irresponsáveis.

  59. Beatriz says:

    Nossa, me identifiquei muito com o texto. Sou a filha mais velha do primeiro casamento. Resultado: abandono do meu genitor. Acreditem que, recentemente, entrei em contato com meu irmão do outro casamento, mas meu genitor não permitiu que nos aproximassem… Meu outro irmão acatou a decisão. E minha outra irmã nem quis saber de mim… Isso sou trouxe à tona o que senti a vida toda: abandono afetivo de e pai.

    • DANIEL BRITES says:

      Cada caso um caso….mas este texto não engloba todos os Pais.
      Serve para aqueles que acham que estão agindo certo refletirem um pouco….Podemos ser bem melhores se assumir nossos erros, e procurar pelo menos melhorar o convívio daqueles que fazem parte da nossa vida.

  60. ANA JULIA says:

    Estou aqui escrevendo na posição de filha do primeiro casamento.
    Meus pais se separaram quando tinha 21 anos.
    Posso relatar que não é nada fácil ter toda uma vida com seus pais juntos e após, separados.
    Mas o que mais importa de toda esta experiência é que os pais jamais devem se separar dos seus filhos, o que acontece muitas vezes, infelizmente…
    Minha mãe retomou sua vida com outro parceiro e meu pai, após anos também o fez, mas diferentemente de minha mãe, ele se comprometeu com uma pessoa, diria, “sobrevivente”.
    Sim, “sobrevivente” é aquela pessoa que não tem estudos, independentemente de ter tido alguma oportunidade ou não em sua vida – e se junta à outra pessoa com fins de que esta te ajude monetariamente.
    A questão “sobrevivente” é muito complicada, ao MEU ver, e é lógico que se complicada à medida em que essa pessoa não tem caráter.
    Minha vida com a tal “sobrevivente” sempre foi tranquila no início de seu relacionamento com meu pai – sempre confiei nela e achava que tinha boas intenções em relação à nossa família (nossa família= eu, meu irmão e sim, minha mãe, a ex).
    O que hoje me causa estranheza ao relembrar é que meu pai sempre me dizia que a “survivor” tinha muita inveja e ciúmes de nós e que não era uma boa dar muita conversa, apenas entrar em assuntos que não nos expusesse tanto.
    Na época achava que meu pai estava um pouco perdido ao fazer este tipo de comentário, pois ainda gostava da minha mãe.
    Sempre relevei e continuei na confiança com tal criatura, tratando-a bem e sentindo carinho por ela.
    Resumidamente, após três meses do meu pai com a sua esposa, ela engravidou.
    Passando-se os anos, após o nascimento de minha irmã, percebo que no período em que ela crescia, a esposa de meu pai começou a “gorar” nossas vidas, impedindo até mesmo que eu o veja sem ela estar presente.
    Lamentável este tipo de pessoa.
    Pior ainda meu pai, que aceita este tipo de comportamento, afinal, os prejudicados são filhos dele, e não dela!!!!
    O que eu espero para ela? Justiça divina… o plantio é opcional, mas a colheita é obrigatória… nada escapa aos olhos do Mais Alto.

  61. alessandra says:

    Acredito que a separação dos pais em momento algum deve ser motivo para que o pai ou a mãe deixe de demonstrar e sentir o amor puro e verdadeiro que um filho merece. Me separei do pai do meu filho antes dele completar um ano de idade após uma união de 11 anos, foi uma criança que desejamos do fundo do nosso coração e a melhor coisa que nos aconteceu. Sim, a separação nunca vai ser fácil e sempre para um lado vai doer mais. No nosso caso decidimos colocar nosso filho em primeiro lugar e acredito que a convivência entre pais separados precisa ser agradável ou pelo menos respeitosa para que os pais se sintam confortáveis um com o outro também a fim de dividir o desenvolvimento e criação dos seus filhos, afinal a responsabilidade da criação do caráter do filho começa com o exemplo dos pais.
    Tão triste ver pais separados falando mal um do outro para o filho, como pode mal dizer ou mal querer quem um dia você amou e só quis o bem ou mesmo quem um dia você imaginou viver o resto de seu dias ao lado?
    Somos os exemplos para nossos filhos, temos que ter empatia, se colocar no lugar do outro às vezes nos faz tomar as melhores decisões. Trate bem quem já te fez feliz e te deu o maior presente de sua vida, seu filho. Pai e mãe tem que se respeitar junto ou não.
    Amor de filho não pode diminuir com a formação de uma nova família, pelo contrário aumenta a cada descoberta. Somos o que nossos filhos vão ser no futuro, desejo que meu filho seja um pai amoroso e um marido dedicado. Que ame sua família acima de tudo, que demonstre seus sentimentos sem vergonha e sem medo. Que ame seus pais, e que se orgulhe de cada atitude. Que o amor dos pais sempre seja valorizado e demonstrado.Todo filho merece ser amado. Acima de tudo todo amor precisa ser demonstrado todos os dias, agradeço a Deus por nos dar sabedoria para entender que nosso filho sempre virá em primeiro lugar acima de tudo.

  62. Renato says:

    O texto é um grande absurdo, raso, fraco, medíocre, hipocrita, generalista, preconceituoso, nivelando todos os homens e mulheres pelos poucos que conhece. Admito que muitos homens deixam seus filhos de lado, mas existem outros tantos que mantêm, mesmo depois desse filho se tornar adulto, mesmo depois de se casar outra vez, as relações maravilhosas que sempre teve com seu filho. Outro ponto é dizer que “Mãe é diferente, sempre se elogia seu filho…”, conheço, e tenho conhecimento, de muitas que simplesmente abandonam os filhos, trancando-os em casa para ir curtir uma noitada, acorrentando-os à pés de mesa para dar uma fugidinha com o primeiro pilantra, ou simplesmente entregando os filhos e filhas indefesos aos cuidados de outros, para que não tenha que assumir a responsabilidade do que fez.
    Certamente o autor deve ter tido experiências ruins com seu pai, mas julgar todos pelo que ele conhece demonstra, além de um rancor mesquinho, uma profunda falta de conhecimento de relações paternas e tenho muito medo de que, tomando por base a experiência do que fizeram a ele, faça o mesmo com seus próprios filhos

  63. Eduardo says:

    Olá,gostei do texto,e agora viu falar um pouco da minha experiência!
    Eu e minha irmã somos filhos do casamento do meu pai,éramos felizes,mas quando eu tinha 5 anos e minha irmã quase 2,meu pai saiu de casa para morar com outra mulher…Ficamos em casa só eu,minha mãe e minha irmã,minha mãe entrou na justiça e fez com que ele pagasse pensão,pois o que ela recebia no seu trabalho não dava para quase nada!No ano de 2012 nasceu um outro filho do meu pai,só que com a outra mulher,meu pai demonstrava e até hoje demonstra mais amor por ele e se esqueceu de nós,mas isso não me importo porque na verdade já havia me acostumado com sua ausência desde que saiu de casa!A atual mulher do meu pai,é ciumenta e gostava de humilhar minha irmã mais nova,quando íamos fazer compras ela não deixava minha irmã comprar nada e jogava na cara dizendo que meu pai pagava uma pensão alta e tal…Uma vez minha mãe se cansou e falou pro meu pai as humilhações que minha irmã passava,mas meu pai preferia dizer que era mentira de minha irmã!Certo dia fomos passar a férias na casa se meu pai,e ele havia dado perfumes para mim e minha irmã,mas minha madrastra ficava fazendo brincadeiras de mau gosto dizendo que tinhamos que pagar os perfumes com trabalho porque meu pai não havia os dado de graça!Certo dia,ela discutiu com minha irmã por nada,e meu pai vendo,não fazia nada,até que minha irmã disse que nunca teve pai,e ele ficou zangado,quase a batia…E se passaram pouco mais de 1 semana e a mulher do meu pai como já estava a caçar motivos,começou uma discursão comigo,e depois do ocorrido,ela disse pro meu pai que enquanto ela estivesse com ele,nem eu,tampouco minha irmã iriamos na casa dele,na casa em que eu e minha irmã passamos 2 férias trabalhando para ajudar em sua construção,ela nos proibiu até de dar brinquedos ao nosso irmão,que é filho dela e de meu pai!Recentemente tento contato com meu pai e não tenho retorno…

    O que sei é que nunca seria um pai para meus futuros filhos como meu pai é comigo e com minha irmã…
    Vou dar muito amor e carinho a meus filhos,vou ser o PAI verdadeiro para eles e jamais os abandonariam em hipótese alguma!!!!

  64. Esposa Atual says:

    Natália bom dia, sou esposa atual meu marido foi sempre um ótimo pai para sua primeira filha que nunca reconheceu e agora quando a sua pseudo mãe aparece, está usando a sua reportagem para agredir toda família. Colocando no Facebook e marcando a sua filha como coitadinha, nunca se preocupou um pingo com a filha, nunca pagou uma bala para filha, e agora que já está criada por mim pelo pai e pela avó que ajudou muito, aparece como se fosse a mãe que a criou. Gostaria muito que você com uma pessoa com uma cabeça boa fizesse um novo esclarecimento, para as pessoas usem o artigo para o bem e não para agredir quem sempre cuidou da filha de uma desconhecida, que sequer a chamava para dormir na sua casa, pois a menina morou sempre com o pai e comigo, a segunda esposa.

  65. Kadu says:

    Não gostei do texto, é muito fácil hoje em dia generalizar o homem como se fosse o monstro de um casamento que não deu certo. Falo isso por experiência própria, casei, amei a minha ex esposa o máximo que podia. Um dia descubro que ela me traiu, mas mesmo assim a perdoei.
    Passou alguns anos, ela voltou a fazer as mesmas coisas e acabamos não conversando mais e a nossa relação acabou da pior forma possível. Ela foi embora e levou meu filho junto, hoje tento de toda forma fazer com que ele venha a morar comigo.
    Mas vocês sabem como é, a preferência da lei é sempre para o lado “fraco”,a mãe , a pobre e indefesa, pois nós homens sempre taxados como os que traem, mentem, etc..
    Hoje apesar do meu filho morar em outro estado, telefono para ele todos os dias e sempre nas férias pego ele para passar férias comigo. Ele é a minha razão de viver.

    Ela coitada, após seis meses do divórcio já está se preparando para casar, tenho peno do outro, pois não conhece o caráter fútil dela.

  66. Madastra tem direitos says:

    Meu marido tem dois filhos do primeiro casamento, que moram conosco, desde quando decidimos viver juntos, ah 6 anos atrás. a mãe não quer nem saber, pega 2 dias no mês, isso porque vamos leva-los na casa dela, obrigados, pq hoje em dia os dois não querem nem ir p casa da mãe. porém os dois estão na adolescência, dando muito trabalho, eu não estou conseguindo aguentar, já estou em ponto de me separar, tenho como reivindicar judicialmente alguma atitude da mãe, pois ela não cuida dos filhos, mas vive curtindo a noite…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *