Imagem

Como vai o seu “ex”?

Um dos sentimentos mais comuns depois de uma separação amorosa é a enorme curiosidade em relação ao destino do outro. Mesmo o parceiro que tomou a iniciativa fará de tudo para saber como o abandonado está passando. Esse interesse raras vezes resulta de uma genuína solidariedade. Decorre, na maioria dos casos, de uma situação ambivalente que lembra o mecanismo da gangorra. Por um lado, ver o sofrimento de uma pessoa tão íntima nos deixa tristes; por outro, satisfaz a vaidade. Num certo sentido, é gratificante saber que o ex-companheiro vive mal longe de nós e teve prejuízos com a separação. Esse aspecto menos nobre da personalidade humana, infelizmente, costuma predominar.

Se o outro está se recuperando com rapidez, se busca novas companhias, mostrando-se à vontade na condição de descasado, ficamos surpresos e deprimidos. Percebemos que não somos tão indispensáveis quanto pensávamos. Nosso orgulho, então, é atingido, pois precisamos nos sentir importantes, precisamos saber que nossa ausência provoca dor. Se o outro estiver feliz, duvidamos de nós mesmos e isso é desgastante. “Como é possível que alguém se ajeite na vida mais rapidamente do que eu?”, indagamos, e a certeza de que semelhante absurdo aconteceu nos deixa tristes. Muitas pessoas confundem essa tristeza com amor. Será que ainda estamos apaixonados? Será que a separação foi precipitada? Pode até ser. Mas o ingrediente principal de nossas emoções é a vaidade, o orgulho ferido. Às vezes, procuramos disfarçar esse sentimento menos nobre, escondendo-o por trás de uma inesperada dor de amor. É uma forma de negar pensamentos que não gostaríamos de ter.

Logicamente o processo é mais acentuado, pelo menos no início, quando não tomamos a iniciativa da separação. Nesse caso, a “sede de vingança” costuma ser explícita. Torcemos para que o outro só tenha relações afetivas desastrosas. Desejamos até mesmo sua ruína profissional. O objetivo dessa atitude é resgatar a autoestima. O fato de tudo dar errado para o ex-parceiro será a prova definitiva da influência positiva que exercíamos em sua vida. Sua felicidade, ao contrário, nos diminuirá. É como se, a partir da separação, fosse necessário encontrar o culpado pelo fracasso do relacionamento.

No entanto, esse mecanismo de comparação também é forte naqueles que decidiram se separar porque se apaixonaram por outra pessoa. Aí, entra em jogo outro tipo de vingança. Se alguém se sentiu, ao longo dos anos em comum, agredido, humilhado, rejeitado, agora é o momento de inverter a situação e sem nenhum esforço: apenas esperando que o destino faça justiça e o opressor se transforme em oprimido.

Não adianta pensar que nunca teremos pensamentos tão mesquinhos. Todos nós, em certas circunstâncias, estamos sujeitos a emoções que consideramos negativas e indignas. Elas se misturam com as mais nobres e formam uma amálgama extremamente complexa.

Amor, orgulho ferido, desejo de vingança… É difícil avaliar o peso de cada um desses ingredientes. Aliás, a diversificação de sentimentos também está presente durante a vida conjugal, quando um dos parceiros se recusa a agradar o outro apenas para não se sentir subjugado e diminuído. A rejeição sexual, por exemplo, pode ser vingada com a humilhação financeira ou vice-versa.

Na hora do divórcio, todos esses processos se exacerbam. Eles geram a gangorra: quando a autoestima de um sobe, desce a do outro. Não basta ser feliz; é preciso que o outro não o seja. A gangorra pode perdurar por vários anos e até mesmo pela vida toda.

(Autoria: Flávio Gikovate, médico-psiquiatra, psicoterapeuta, conferencista e escritor. Atualmente apresentando o programa “No Divã do Gikovate”, na rádio CBN, e dedicando a maior parte do tempo à clínica).

Compartilhar

9 thoughts on “Como vai o seu “ex”?

  1. Cláudia Pichinine says:

    Nunca encontrei nada que me explicasse esses sentimentos como esse texto o fez. Me sentia horrível em pensar dessa maneira, me sinto agora, mais humana…

  2. Nelia Caparelli says:

    Excelente texto, muito esclarecedor. Parabéns!
    Todos nós temos o nosso lado obscuro, resta o auto conhecimento e a observação para nos libertar da escuridão.

  3. Aline Juchem says:

    Diga me como tirar a mágoa do seu coração qdo sua melhor amiga fica de romance com seu ex.
    Sendo que era sabido o meu grande amor por ele… porém, ele já era um canalha qfo nos separamos… mas eu estou muito magoada com minha ex amiga…

  4. Aline Morais says:

    Gostei e me identifiquem com o texto, entretanto, não me considero mesquinha, pois a meu ver, em alguns casos o parceiro dá um fora por arrumar um outro. Considero egoísmo da parte do traidor, visto que, muitas vezes te trai por vaidade ao invés de consertar a relação. Sendo assim creio que seja normal ter este sentimento. Eu diria que não é vingança e sim querer que o outro aprenda a dar valor e busque ser uma pessoa melhor. Aprenda com os erros e respeite os sentimentos dos outros. Acredito também que muitos traem por covardia, pois procuram variedade e não por necessidade, por falta de algo na relação. Na nossa atualidade as pessoas querem resolver os problemas com certo imediatismo e por isso passam por cima de qualquer sentimento em prol de sua satisfação.

  5. KEZIA GOMES says:

    Vou ao psiquiatra e ao psicologo,ha uns 6 anos,mas jamais havia escutado(neste caso lido),algo tao esclarecedor.
    Tenho convivido com esse sentimento doloroso da perda,e,sinceramente ja tinha tentado de tdo para entender essa minha realidade sentimental. Buscava uma explicação,para entender o porq,da minha dificuldade, em deixar essa pessoa, viver a nova vida que ele escolheu. De verdade,diante da minha dor,ainda continuo desejando o insucesso sentimental dele. Eu acreditava ser isso um amor ,um amor “doente”,mas sim,puro amor
    Hj entendi,creio q entendi,que a vida é ciclica.

  6. L says:

    na verdade, eu espero que ele seja feliz, até mais do que eu. espero que a vida dele seja rodeada de felicidade… sinceramente eu não consigo desejar que ele se dê mal, que encontre uma pessoa errada, que tenha uma vida de bosta… ja desejei a outros ex, mas esse merece um futuro feliz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *