Imagem

8 sinais de que você pode estar com depressão

Doença, que atinge cerca de 10% dos brasileiros, é caracterizada por conjunto de sintomas que vão desde tristeza duradoura até problemas para dormir.

A depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e é mais prevalente entre mulheres. No Brasil, cerca de uma em cada dez pessoas sofre com o problema. Embora seja uma doença comum, a moléstia carrega estigmas que dificultam seu diagnóstico precoce e a adesão ao tratamento adequado.

O primeiro deles está no fato de a depressão ser um transtorno mental. “Percebemos que o preconceito com as doenças mentais faz com que muitos pacientes, principalmente os homens, demorem a aceitar que têm o problema e a procurar um médico, atrasando o tratamento”, diz Rodrigo Martins Leite, psiquiatra e coordenador dos ambulatórios do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

Limite – Além do preconceito com os transtornos mentais, a dificuldade de interpretar os sintomas faz com que uma pessoa demore a procurar ajuda. Os sinais podem ser confundidos com sentimentos naturais do ser humano, como tristeza, indiferença e desânimo. Esses sentimentos passam a configurar um quadro de depressão clínica quando a variação do humor começa a afetar negativamente vários aspectos da vida do paciente – da produtividade no trabalho e nos estudos às relações com outros indivíduos, passando pela qualidade do sono e a disposição física para realizar as atividades do dia a dia.

“Muitas vezes é difícil diferenciar a tristeza comum da depressão. O humor das pessoas nunca é constante, sempre vai existir uma variação. Uma situação negativa pode desencadear tristeza, luto. Isso é diferente da depressão clínica, que é uma síndrome que vem acompanhada por outros sintomas”, explica Mara Fonseca Maranhão, psiquiatra da Unifesp e do Hospital Albert Einstein.

Definição – Os critérios atuais para diagnóstico da depressão – estipulados por entidades médicas como a OMS e a Associação Americana de Psiquiatria – determinam que, para ser detectada com a doença, uma pessoa deve apresentar ao menos cinco sintomas do transtorno. Entre eles, um deve ser obrigatoriamente o humor deprimido (tristeza, desânimo e pensamentos negativos) ou a perda de interesse por coisas que antes eram prazerosas ao paciente. Os outros sintomas podem incluir alterações no sono, no apetite ou no peso, cansaço e falta de concentração, por exemplo.

Segundo o psiquiatra Rodrigo Leite, os critérios dizem que esse conjunto de sintomas deve ser apresentado pelo paciente na maior parte do dia, todos os dias e durante pelo menos duas semanas para que seja considerado como sinais de depressão. Por isso, estar atento a sintomas como esses – e a duração deles – é importante para que uma pessoa procure um médico e saiba se precisa ser submetida a um tratamento.

Doença do corpo – As causas exatas que levam à depressão ainda não são completamente conhecidas. “Sabe-se que situações como problemas financeiros ou conjugais, desemprego e perda de um ente querido alteram estruturas cerebrais que são sensíveis a hormônios relacionados ao stress, especialmente ao cortisol. Com isso, há um desequilíbrio no cérebro que desencadeia os sintomas depressivos”, explica Leite.

Apesar disso, a depressão não é uma doença apenas do cérebro – e levar esse fato em consideração é essencial para o sucesso do tratamento. “As pessoas precisam saber que, diferentemente do que se pensava antes, a depressão não afeta apenas o cérebro, e o tratamento não depende exclusivamente de antidepressivos. Hoje, sabemos que essa é uma doença de todo o organismo”, diz Rodrigo Leite.

De acordo com o psiquiatra, cada vez mais a ciência mostra que a doença está relacionada a problemas como baixa imunidade, alterações dos batimentos cardíacos e acúmulo de placas de gordura no sangue. Ou seja, a depressão é também um fator de risco a doenças como as cardíacas, incluindo infarto e aterosclerose. “Ainda não está claro de que forma a depressão leva a essas condições, mas sabemos que a relação existe”, diz Leite.

Por esse motivo, o tratamento da depressão não deve incluir apenas antidepressivos. “Pessoas com depressão também precisam evitar hábitos como sedentarismo, tabagismo e má alimentação, que predispõem mais ainda uma pessoa a doenças cardiovasculares. Os pacientes devem saber que mudar esses hábitos é tão importante no tratamento quando os medicamentos.”

Os psiquiatras alertam que as pessoas, assim que notarem que apresentam sintomas depressivos – e que eles são duradouros -, devem consultar um médico. “O tratamento contra a depressão com antidepressivos, psicoterapia e mudanças de estilo de vida é eficaz, principalmente se for iniciado precocemente”, diz Mara Maranhão.

1. Alteração do humor

O principal sintoma da depressão é o humor deprimido, que pode envolver sentimentos como tristeza, indiferença e desânimo. Todos esses sentimentos são naturais do ser humano e nem sempre são sinônimo de depressão, mas, se somados a outros sintomas da doença e persistirem na maior parte do dia por ao menos duas semanas, podem configurar um quadro de depressão clínica. “O humor deprimido faz com que a pessoa passe a enxergar o mundo e a si mesma de forma negativa e infeliz. Mesmo se acontece algo de bom em sua vida, ela vai dar mais atenção ao aspecto ruim do evento. Com isso, o paciente tende a se sentir incapaz e sua autoestima diminui”, diz o psiquiatra Rodrigo Leite, do Instituto de Psiquiatria da USP.

2.Desinteresse por coisas prazerosas

Perder o interesse por atividades que antes eram prazerosas é outro sintoma importante da depressão. O desinteresse pode acontecer em diferentes aspectos da vida do indivíduo, como no âmbito familiar, profissional e sexual, além de atividades de lazer, por exemplo. “O paciente também pode abrir mão de projetos por achar que eles já não valem mais o esforço, deixar de conquistar novos objetivos ou de aproveitar oportunidades que podem surgir em sua vida”, diz o psiquiatra Rodrigo Leite.

3.Problemas relacionados ao sono

Pessoas com depressão podem passar a dormir durante mais ou menos tempo do que o de costume. É comum que apresentem problemas como acordar no meio da noite e ter dificuldade para voltar a dormir ou sonolência excessiva durante a noite ou o dia.

4.Mudanças no apetite

Pessoas com depressão podem apresentar uma perda ou aumento do apetite — passando a consumir muito açúcar ou carboidrato, por exemplo. Segundo o psiquiatra Rodrigo Leite, não está claro o motivo pelo qual isso acontece, mas sabe-se que, somado a outros sintomas da doença, a alteração do apetite que persiste por no mínimo duas semanas aumenta as chances de um paciente ser diagnosticado com depressão.

5.Perda ou ganho de peso

Mudanças significativas de peso podem ser uma consequência da alteração do apetite provocada pela depressão — por isso, são consideradas como um dos sintomas da doença.

6.Falta de concentração

Em muitos casos, a depressão também pode prejudicar a capacidade de concentração, raciocínio e tomada de decisões. Com isso, o indivíduo perde o rendimento no trabalho ou nos estudos. Segundo a psiquiatra Mara Maranhão, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a depressão pode impedir que o paciente trabalhe ou estude, ou então faz com que ele precise se esforçar muito para conseguir concluir determinada atividade.

7.Cansaço

Diminuição de energia, cansaço frequente e fadiga são comuns em pessoas com depressão, mesmo quando elas não realizaram esforço físico. “O indivíduo pode queixar-se, por exemplo, de que se lavar e se vestir pela manhã é algo exaustivo e pode levar o dobro do tempo habitual”, segundo o capítulo sobre depressão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), feito pela Associação Americana de Psiquiatria.

8.Pensamentos recorrentes sobre morte

Em casos mais graves, pessoas com depressão podem apresentar pensamentos recorrentes sobre morte, ideação suicida ou até tentativas de suicídio. A frequência e intensidade dessas ideias podem mudar de acordo com cada paciente. “As motivações para o suicídio podem incluir desejo de desistir diante de um obstáculo tido como insuperável ou intenso desejo de acabar com um estado emocional muito doloroso”, de acordo com o DSM-5.

Autor:  Vivian Carrer Elias

Fonte: veja.abril.com.br

Compartilhar

32 thoughts on “8 sinais de que você pode estar com depressão

  1. Adriana says:

    Sou diagnosticada c depressão, tomo remédio , mas mesmo assim me sinto triste o tempo todo. Executo tudo q é essencial tipo trabalho banho etc. Mas é como se eu estivesse no automático. Simplificando sinto q vivo por viver. Só uma obs nunca pensei em me matar , penso em morrer mas me matar não! # Motivo Deus.

    • Nathalia Paccola Nathalia Paccola says:

      Oi Adriana, junto do tratamento psiquiátrico você deveria fazer uma terapia. Converse com o seu médico e lhe explique o que ocorre, talvez ele tenha que mudar ou alterar a dose da medicação. Abraços.

    • denise says:

      eu também tenho depressão tomo medicamentos as vezes quatro por dia mas mesmo assim tenho depressão, mas trabalho faço as coisas, mas me sinto as vezes muito desanimada com a vida esto u em busca de um segundo emprego mas não consigo nada.

  2. marcia cristina says:

    tenho todos esses sintomas e mais alguns que não consigo definir,comecei a passar em uma psicóloga e ela me disse que não sofria com essa doença do século, a cad dia que passa os sintomas aumentam,choro constantemente e não consigo me adaptar em nenhum emprego o que devo fazer.

    • Nathalia Paccola Nathalia Paccola says:

      Marcia Cristina, obrigada pela confiança, procure um médico psiquiatra, ele saberá lhe diagnosticar e indicar o melhor tratamento. Abraços.

  3. Dorca Maria Lopes salgueiro says:

    Verdade.passei tudo isso..acredito que não tem cura sempre estou com esse sintomas depois que tive minha vida mudou radicalmente.vivo por viver não tenho prazer as vezes procuro algo que mim motive mas sem respostas

  4. Sou bipolar em tratamento. Gostei muito do seu artigo. Gostaria de saber se posso copia-lo em meu blog. Já passei por todos os sintomas descritos. Mas, estou muito melhor e gostaria de ajudar quem sofre com “a danada depressão”. Mostrando que é possível superar a autonomia da depressão.

  5. Tomo fluxetina a 7 anos mais eu acho q nao esta mais fazendo efeito e minha medica nem olha pra mim so passa a receita do diazepan e fluxetina 20 mlg oque faço? Obrigada

  6. Daiana says:

    Eu tive depressão e tinha todos esses sintomas até hoje tomo anti depressivos me sinto ótima agora, durmo muito bem sem ajuda de remédios no início eu precisava de remédios para dormir agora não preciso mais e já vou começar a diminuir a minha dosagem de remédios

    Vamos nos cuidar gente tem cura

    Beijo

  7. claudio says:

    minha namorada esta com depressao, e quis terminar o relacionamento, ela não tem vontade de estudar, trabalhar ou seja esta totalmente desanimada. ela deve ir em um psycologo ou psyquiatra?

  8. Paula Regina de Sousa Diniz says:

    Tenho sintomas de desânimo e muito pessimismo, nada para mim tem graça, e o que mais me incomoda é uma enxaqueca horrível! Toma 3 amitripitilina para dormir!O que fazer?

  9. Cristy Costa says:

    Passei por uma depressão com a morte de.minha mãe. Com um ano de tratamento com fluoxetina e somalium fui melhorando. Mas agora aconteceram duas coisas muito graves em minha vida eu me sinto péssima. Não consigo dormir e nem gostar de fazer nada que eu gostava de fazer, a única coisa q quero é ficar no meu quarto. Acho que.mesmo lutando contra tenho início de uma nova depressão. Isso é normal? O que devo fazer? Contínuo tomando os remédios. Mas mesmo com eles n consigo dormir.

  10. Viviane says:

    Eu estava com todos esses sintomas, há dois meses começou o tratamento com medicamentos, e acompanhamento com psicologas, hoje me sinto bem melhor, sei que é só o começo, mas já me sinto feliz, e consigo fazer coisas básicas dia a dia, e posso dizer não existe coisa melhor do que terapia, procurem ajuda, é difícil mas depois que cobseguimos, tudo vai se transformando

  11. Adriane says:

    Olá…tento ao máximo pensar que existem pessoas com motivos maiores de sofrimento que o meu…até pq sei q o meu não é nada perto de muitos…tenho saúde, família, casa, trabalho…tenho na verdade vergonha de assumir que tvz tenha depressão…chego do trabalho às 19h, tomo um banho e tomo rivotril que meu pai e mãe fazem uso…tomo para n ver o tempo passar…penso muito em morte, rezo muito p/ que Deus me leve logo, parece q n pertenço a esse mundo, e por mais q as vzs passe pela cabeça um suicídio (que já tentei qdo tinha 15 anos) não faria mais, li muitos livros espíritas, o que me ajudou muito a aceitar que tem coisas que é pra gente…mas as vzs me sinto sem forças de continuar…em 3 meses emagreci 11kg, não tenho fome, como p/ q ngm se preocupe comigo, mas pouco, pq não desce…parece q tem um coração no meu esôfago que n me deixa engolir…até mesmo a água…penso em ir em um psiquiátra, mas n qro q me entupa de remédios, qria um apenas p controlar a ansiedade p eu voltar a comer, to com vergonha do meu corpo de tão magra, tento comer…mas qdo penso no meu “problema” não consigo, e tenho vergonha tbm de procurar um psicologo pq acho ridiculo eu sofrer por algo tão pequeno perto do sofrimento real de outras pessoas…

    • Andrea says:

      Adriane, tbm passei por tudo isso e nao queria viver a base de medicamentos, porem sao necessarios pra te tirar dessa crise mais forte. Quando melhorei um pouquinho., busquei meios alternativos, um bom medico homeopata foi fundamental. Iniciei nas aulas de yoga e isso salvou minha vida. Passei a ter o controle absoluto sobre a vida e meus pensamentos. Hoje, 1 ano depois, nao tomo nenhum medicamento e me sinto bem na maior parte do tempo. Claro q as vezes ainda bate uma tristeza mas nao a deixo se instalar. Tambem frequento a Seicho no Ie, e isso tem ajudado bastante. Espero ter contribuido com vc de alguma maneira. Boa sorte!

  12. Natalia Moraes Rodrigues says:

    Sempre fui ansiosa, passei por uma fase difícil e tentei suicídio, fui levada as pressas para o hospital e por 5 min eu não morri, ninguém entendeu eu sempre trabalhei, estudei, sou nova, e tenho uma boa aparência. Fiz tratamento com fluoxetina e outros remédios, parei por conta própria não queria me dopar com todos aqueles remédios, sendo que fiquei bem. Hoje tenho todos esses sintomas, a cada dia durmo menos, como doces todos os dias, faço tudo no automático, choro muito e vivo pensando na morte . Não aceito ter isso pois sei que muitas pessoas tem problemas piores. Não sei o que fazer, devo procurar um psicólogo ou psiquiatra?

    • Nathalia Paccola Nathalia Paccola says:

      Bom dia Natalia, procure um analista e volte ao psiquiatra, se ele achar por bem use os remédios para equilibrarem sua psiquê e vá à análise, que é essencial. Abraços.

  13. Claudia says:

    Luto contra a depresao e outras patologias associadas ha 7 anos. Durante este tempo muita coisa aconteceu, cheguei ao ponto de abandonar meus empregos publicos, pois nao tive o apoio do Estado quando busquei uma melhora na qualidade de vida. Neste periodo abandonei tb o tratamento, pois sem salario nao tinha como me tratar. Com o tempo reassumi um dos meus vinculos, pois embora precisasse de dinheiro, nao me sentia em condicoes de trabalhar, ainda mais em algo que por ser desgastante, foi o desencadeador de todos os meus transtornos. Embora o estatuto do servidor diga que o estado seja responsavel por nossa integridade fisica e social e exixta na secretaria de educacao um setor de saude e bem estar, nunca ninguem me procurou pra oferecer ajuda e eles tem psicologos e assistentes sociais. Alem da total indiferenca, ainda colocaram dificuldades em minha remocao, uma vez que mudei de cidade para buscar a tao desejada qualidade de vida, fator determinante pra remissao dos meus sintomas. O Estado que tinha a obrigacao de salvaguardar a minha integridade fisica, psiquica e emocional alem de nada fazer por mim, colaborou atraves de seus representantes legais para que eu tivesse uma recaida muito mais intensa e comprometedora, uma vez que outros transtornos e patologias tem sido somados ao meu quadro clinico. Faco tratamento com medicamentos. e terapia, porem perdi a esperancas de voltar a ser quem um dia eu fui, pois as perdas pessoais foram muitas e irreparaveis. Sinto como se jamais consiga sair dessa. Sinto como se nao apenas eu tivesse desistido de mim, mas todos a minha volta, pois so sabem me criticar como se fosse uma escolha estar passando por tudo isso. Nao recebo palavras de incentivo, de encorajamento, algo que me ajudasse a elevar minha auto-estima, a resgatar a confianca

  14. elidiane says:

    Tenho estado com vários desses sintomas e já estive umas 4 vezes na emergência com outros sintomas como, dor no peito aceleração do coração falta de ar tremedeira tontura dor de cabeça e desespero total com pensamento fixo de que vou morrer, mas pressão arterial normal eletro normal, diagnóstico crise de ansiedade. Será que é isso mesmo? O que devo fazer?

  15. Janaina says:

    Bom dia!! estou passando por uma situação muito delicada no momento, sei que a vida é feita de altos e baixo.
    Por isso jamais perco a fé pois sei que tudo isso vai passar, só depende da minha própria força de vontade e como devo encarar a realidade e aceitar que a vida é feita de escolhas!

  16. laluxa says:

    Me sinto triste a muito tempo acho que desde crianca mais cada vez à tristeza parece maior agora vieram os pensamentos de morte e tenho medo minha mente não para parece que preciso de um descanso para ela mais ela não para ta acelerada tenho 3 filhos 11 anos 9 anos e 2 anos não aguento mais a vida a que tenho medo de abrir a porta um dia e nunca mais voltar

  17. cassy says:

    Há anos luto contra a depressão, to, mas apesar do tratamento com 3 remédios, meus sintomas tem piorado muito principalmente quando entro de férias do meu serviço.. Q é a única coisa que me distraí. Nas piores fases n consigo sair da cama nem para comer ou pentear os cabelos, pensamentos sobre morte viraram rotina… Tenho medo do que posso chegar a fazer,já tive comportamentos perigosos como beber tomar remédios e dirigir na intenção de morrer… Essa sensação n desejo meu pior inimigo….

    • denise says:

      eu também tenho depressão a minha única distração é o meu emprego pois quando entro de férias a depressão vem com tudo,não posso ficar em casa pois penso em tristezas e fico deprimida,pois quero alcançar objetivos na vida mas nada dá certo,penso muito no meu pai falecido,tenho muita saudade dele quando penso nele começo a chorar muito,tomo remédios mas não adianta nada as vezes tomo quatro comprimido por dia,ENTREGO MINHA VIDA NAS MÃO DE DEUS,SEJA O QUE DEUS QUISER.

  18. denise says:

    EU TENHO DEPRESSÃO TOMO REMÉDIOS,ME SINTO MUITO DESANIMADA AS VEZES TOMO QUATRO COMPRIMIDOS POR DIA ,TRABALHO MAS ESTOU PRO CURANDO UM SEGUNDO EMPREGO ,MAS NÃO CONSIGO NADA ,NÃO SOU APROVADA NOS PROCESSOS SELETIVOS ME DÁ RAIVA ,MINHA VIDA NUNCA MELHORA MINHA SITUAÇÃO FINANCEIRA É PÉSSIMA,AS VEZES ESTOU BEM E MUITAS VEZES DEPRIMIDA,QUERO ENTREGAR MINHA VIDA NAS MÃOS DE JESUS,POIS TENHO FÉ QUE UM DIA VAI MELHORAR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *